Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

TRT antecipa dissídio e libera parte da conta dos rodoviários

Presidente do TRT-11 recebeu comitiva dos rodoviários em seu gabinete e decidiu pela liberação de parte do montante bloqueado para pagamento de multas. O desembargador também antecipou a data do julgamento do dissídio dos trabalhadores

Desembargador David Alves recebeu os sindicalistas em seu gabinete.

Desembargador David Alves recebeu os sindicalistas em seu gabinete. (Divulgação/TRT)

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRT) da 11ª região, desembargador David Alves, antecipou o julgamento do Dissídio Coletivo de Greve dos trabalhadores rodoviários do dia 18 para 11 de junho. A decisão veio logo após uma manifestação ocorrida na manhã desta quarta-feira (4) em frente ao Tribunal, localizado no bairro Praça 14, Zona Sul de Manaus, quando cerca de 40 representantes da categoria se reuniram e pediram uma audiência com o presidente.

David Alves recebeu a comitiva de manifestantes, liderada por Givancir Oliveira, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Manaus (STTRM), e, juntamente com a antecipação do julgamento, liberou 30% (R$ 45 mil) dos R$ 150 mil da receita do sindicato que foi bloqueada pela Justiça do Trabalho para o pagamento de multas.

A decisão foi comemorada pelos sindicalistas, porém ainda está longe de satisfazer a categoria, que espera que até o final da próxima semana, tenha o restante da receita liberada. Indagado se a pressão exercida sobre o TRT-11 teria sido a causa das decisões do desembargador, o representante dos rodoviários foi comedido:  “A liberação se deve à competência do presidente do TRT, que se sensibilizou com a nossa situação”, explicou.

Givancir também falou sobre uma possível paralisação do transporte coletivo na capital, marcada para sábado (7), caso as empresas Global, Líder, Via Verde, São Pedro e Açaí não parem de fazer banco de horas. “Precisa haver um consenso entre os empresários. Basta cumprir o acordo feito com o prefeito (Artur Neto). É hora de conversa. Esperamos que o prefeito também nos ajude, e sente com o presidente (do TRT) para que não haja mais problemas no transporte de Manaus”, disse o sindicalista.

Na manhã desta sexta-feira (6), o TRT-11 julgará outro dissídio envolvendo o Sindicatos das Empresas de Transporte e Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram) e os rodoviários.