Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Em Manaus, pistoleiro confesso 'Waltinho da 14' pagará pena de 33 anos por assassinato

Um dos mais perigosos pistoleiros de Manaus, o 'Waltinho da 14' teve sua pena aumentada. Ele já pagava 15 anos pela morte de 'Bili' em 2006. Agora, botou mais 18 anos no regime fechado pelo homicídio de Coelho, no lanche El Shadday, no bairro Eldorado em 2011

Waltinho já cumpria 1 anos no regime fechado. Agora cumprirá 33 anos na cadeia

Waltinho já cumpria 1 anos no regime fechado. Agora cumprirá 33 anos na cadeia (Winnetou Almeida)

Um dos mais perigosos criminosos de Manaus, o pistoleiro e traficante de droga Walter Soares Góes Filho, o ‘Waltinho da 14’, foi condenado a 18 anos de prisão em regime fechado pelo crime de homicídio triplamente qualificado de um desafeto dele, Jefferson Gonzales Paes, o “Coelho”,  ocorrido em 19 de setembro de 2011. 

O julgamento durou apenas quatro horas, não teve testemunhas e nem a acusação pediu réplica, porque as provas apresentadas pela acusação, um vídeo mostrando o momento do crime, foram consideradas suficientes para convencer o conselho de sentença, cuja decisão foi por unanimidade pela condenação.

O julgamento desta segunda-feira (25) foi presidido pelo juiz da 2ª Vara do Tribunal do Júri, Anésio Pinheiro. Na acusação, atuou o promotor de Justiça Ednaldo Medeiros e, na defesa, o advogado Antônio Ederval Filho. 

Considerado de alta periculosidade, Waltinho já havia sido condenado a 15 anos de prisão pelo assassinato de Elizário Palheta Evangelista, o “Billi”, ocorrido no dia 26 de julho de 2006. No total, somatória das penas do réu chega a 33 anos.

O crime

Durante o interrogatório, ‘Waltinho da 14’ confessou o crime, reconheceu que o pistoleiro que aparece nas imagens atirando na cabeça da vítima era ele mesmo. O réu justificou a prática do crime dizendo que estava sendo ameaçado de morte por Coelho. Ele disse ainda ter planejado o crime quando Coelho ainda estava preso e passou a monitorá-lo desde quando ganhou liberdade.

A ordem do grupo era matá-lo. No dia do crime, a vítima estava no parque Miragem, na rua Recife, quando saiu de lá e foi jantar no lanche El Shaday, na bola do conjunto Eldorado. O pistoleiro pegou a vítima de surpresa, encostou a arma na cabeça da vítima e fez o disparo. Coelho não esboçou nenhuma reação, apenas baixou a cabeça já sem vida.

*Com informações da repórter Joana Queiroz