Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Após descoberta de paralelepípedos, Praça da Matriz retornará à paisagem original

A decisão de ter de volta o Relógio Municipal como divisor da via, que voltará a ser mão e contra-mão, partiu do Prefeito de Manaus após inspeção nas obras

O Prefeito determinou que a área volte ao aspecto original, com o Relógio Municipal demarcando o canteiro central, separando a via em mão e contramão.

O Prefeito determinou que a área volte ao aspecto original, com o Relógio Municipal demarcando o canteiro central, separando a via em mão e contramão. (Divulgação/Tácio Melo)

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, visitou o canteiro de obras da Praça da Matriz, no Centro da capital, nesta sexta-feira (4,) acompanhado de secretários municipais. Antes, a Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) removeu do local, como amostra, 51 centímetros de asfalto e concreto, revelando o piso de paralelepípedos, característico do final da década de 50 e início de 60.

Após um parecer técnico, Arthur Neto determinou que toda a cobertura seja removida e a área volte ao aspecto original, com o Relógio Municipal demarcando o canteiro central, separando o tráfego de veículos em mão e contramão.

“Nós estamos recompondo a fisionomia verdadeira da Eduardo Ribeiro que já foi a principal avenida econômica de Manaus. Após esse trabalho, ela passará a ser a principal avenida turística. Aqui onde nós estamos pisando existem pelo menos quatro camadas que precisam ser removidas, porque só fizeram soterrar a nossa história”, afirmou o prefeito.

Para a retirada dessas camadas, a Seminf deverá utilizar dois caminhões basculantes, uma escavadeira hidráulica e uma pá-carregadeira. Pelo menos dez homens deverão trabalhar dia e noite, no local. A Manauscult está elaborando o projeto que será apresentando ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e assim que for autorizado, as obras começam.

“É uma ação que requer muito cuidado, muita paciência. É uma obra de arte, até para preservar o próprio pavimento, mas por experiência, esse trabalho deve ser concluído em torno de 60 dias com o pavimento totalmente recuperado. Como será executada por administração direta, não terão custos para a prefeitura”, declarou Luiz Borges, secretário da Seminf.


O prefeito também destacou a revitalização da fachada dos prédios ao longo da avenida Eduardo Ribeiro. Como as verbas do PAC Cidades Históricas ainda não foi repassada pelo governo federal, a prefeitura de Manaus vai utilizar recursos próprios para a recuperação.

“Eu queria que predominasse a arquitetura portuguesa, mas como sou realista, sei que não poderemos mexer em todos os prédios. Eu quero apenas que melhore, que fique tudo pintado, bem organizado. Quem tem a sua propriedade, que zele por ela e se tiver alguma que destoe das demais, nós cobraremos as mudanças. Nós queremos provocar uma sensação de bem estar ao turista e principalmente para a nossa população”, concluiu o prefeito.

*Com informações da Semcom