Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

No feriado de Natal, Manaus teve ruas vazias e Ponta Negra lotada

Congestionamentos nas principais vias da capital desapareceram durante feriado e população teve dia de sol e lazer em balneário

População curtiu a praia da Ponta Negra ao longo do dia 25, mas teve dificuldade para conseguir comida

População curtiu a praia da Ponta Negra ao longo do dia 25, mas teve dificuldade para conseguir comida (Luiz Vasconcelos)

As vias que concentram o maior fluxo de veículos e problemas no trânsito de Manaus ficaram vazias durante o Natal como um milagre de Jesus. O Centro que ficou cheio de veículos e pessoas até a noite de terça-feira ficou quase deserto ontem.

Lojas e bancas de camelôs ficaram fechadas durante o dia e o único movimento na área central foi no entorno do Teatro Amazonas, por conta dos últimos ajustes para o espetáculo “Glorioso”.


Enquanto a maior parte da cidade ficou vazia, o Complexo Turístico da Ponta Negra, na Zona Oeste, ficou cheio. “Parece que a cidade toda decidiu vir parar na Ponta Negra neste feriado”, disse a repositora Nayrha Cordeiro, 26.

A praia foi tomada por uma multidão que foi em busca de lazer no feriado e conseguiu aproveitar dia de sol, além do rio Negro e a nova estrutura do complexo. Desde as 8h o fluxo de pessoas foi intenso no balneário e às 10h não havia nenhuma vaga para estacionar. 

“Infelizmente além da falta de vaga agora têm os flanelinhas que cobram R$ 5 adiantados para guardar o carro sendo que eles nem olham nada”, questionou a professora de educação física Aline Souza, 24.

A movimentação de pessoas se estendia desde a primeira etapa onde há a faixa de praia liberada para banho até o chafariz na nova estrutura entregue no último domingo.

A reclamação generalizada entre os frequentadores foi à falta de restaurantes. Quem não levou alimentos para a praia e não quis comprar as “quentinhas” vendidas à beira do rio, criticou a falta de opção em todo do complexo.

“Na primeira etapa todo mundo estava acostumado que não tem opção mesmo. Mas só que eu esperava que nessa nova etapa tivesse, pelo menos, um restaurante onde pudéssemos comprar uma comida melhor”, destacou a comerciante Rafaiel Soares, 31. 

Já na ponte Rio Negro, o fluxo de veículos em direção a Iranduba e Manacapuru foi típico de um dia normal de semana, segundo o Batalhão de Trânsito da Polícia Militar (BPTran).

O batalhão registrou a passagem de 500 veículos entre as 6h e o meio dia, sendo que o fluxo comum em feriado é de 2 mil a 5 mil veículos, no mesmo período, principalmente em feriado prolongado.