Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Cerca de dois mil motoristas imprudentes devem ter a habilitação cassada em Manaus

Detran/AM tem dois mil processos para cassar a habilitação de motoristas que dirigem como “loucos” no trânsito de Manaus. Um deles, Renato Benigno, matou um casal e deixou três feridos ao dirigir bêbado a 130 km/h, na estrada da Ponta Negra

Na delegacia, Renato confessou que estava dirigindo sob efeito de bebidas alcoólicas e em alta velocidade. Ele alegou que, quando viu as vítimas, não conseguiu parar

Na delegacia, Renato confessou que estava dirigindo sob efeito de bebidas alcoólicas e em alta velocidade. Ele alegou que, quando viu as vítimas, não conseguiu parar (Winnetou Almeida)

O auxiliar administrativo Renato Fabiano dos Santos Benigno, 37, que na madrugada desta segunda-feira (12) causou um acidente na avenida Coronel Teixeira, bairro Ponta Negra, Zona Oeste, provocando a morte de duas pessoas e deixando outras três feridas, já deveria estar com a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) cassada. Ele possui 129 pontos na carteira, sendo que 12 infrações foram cometidas nos últimos 12 meses.

Em situação semelhante existem mais de 2 mil condutores, que estão em processo para terem a CNH cassada. Mas, assim como Renato, eles continuam dirigindo seus veículos pelas ruas da cidade, segundo informou ontem o diretor-presidente do Departamento Estadual de Trânsito do Amazonas (Detran-AM), Leonel Feitosa.

Além de estar dirigindo com a CNH em condições de ser cassada, Renato Fabiano trafegava a uma velocidade acima de 130 km por hora, segundo os peritos do Instituto de Criminalística (IC) que foram ao local. O suspeito foi submetido ao teste do bafômetro, que constatou que havia 0,69 miligramas de álcool por litro de sangue na corrente sanguínea, enquanto o tolerável é de, no máximo, 0,33 mg/l.

Acidente

O acidente aconteceu por volta das 4h. Renato Fabiano dirigia uma picape modelo S-10, de placas OAK-2643, que no Detran está registrada em nome de Maria Auxiliadora dos Santos Benigno.

As vítimas do acidente, os irmãos José Henrique Monteiro Galvão, 18, Jhony Lemos Rodrigues e 24, Rodrigo de Oliveira Barroso, 16, além de Keyllene Moreira de Almeida, 28, e Wesley Silva, 17, empurravam uma picape modelo Strada, de placas JXP-6657, que estava sem gasolina. Os dois veículos estavam no sentido Centro-bairro da avenida.

Keyllene, o namorado Jhony e José Henrique empurravam o carro enquanto Rodrigo e Wesley iam na parte da frente, na direção da Strada, quando foram atingidos pela S-10, que os arrastou por aproximadamente 400 metros. José Henrique e de Keyllene tiveram os corpos esmagados na traseira da Strada e morreram na hora.

Os demais foram socorridos e levados para os prontos socorros 28 de Agosto, na Zona Centro-Sul, e Dr. João Lúcio, na Zona Leste. Por volta das 11h, Jhony e Rodrigo receberam alta. Wesley foi submetido a uma cirurgia na perna e continua internado no 28 de Agosto. Segundo familiares, o estado de saúde dele é estável e não há perigo de morte.

Confessou que bebeu

Renato Fabiano foi preso logo após o acidente e levado para o 19º Distrito Integrado de Polícia (DIP), onde foi autuado pelos crimes de homicídio doloso, lesão corporal e embriaguez ao volante. À tarde ele foi encaminhado para a cadeia pública Raimundo Vidal Pessoa, no Centro.

Ao ser interrogado, Renato Fabiano aparentava estar em estado de choque e decidiu só falar em juízo. Ele admitiu que estava embriagado e dirigia em alta velocidade, e alegou que, quando viu as vítimas, não teve tempo para parar.

O advogado dele, Kennedy Oliveira, deve solicitar a liberdade dele à Justiça e a alteração do tipo penal do crime para culposo, quando não há intenção de matar.