Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Juíza converte prisão em flagrante de Renato Benigno em prisão preventiva, em Manaus

Renato foi preso e autuado em flagrante, depois de ter causado um acidente de trânsito na avenida Coronel Teixeira, bairro Ponta Negra, na madrugada da última segunda-feira, no qual duas pessoas morreram e três ficaram feridas

Renato Benigno, de 37 anos, tinha 129 ponto na CNH e foi indiciado por homicídio doloso, embriaguez ao volante e lesão corporal

Renato Benigno, de 37 anos, tinha 129 pontos na CNH (Winnetou Almeida)

A juíza plantonista Sanã Nogueira Almendros de Oliveira indeferiu o pedido de liberdade provisória e converteu a prisão em flagrante do assistente administrativo Renato Fabiano dos Santos Benigno, 37, em prisão preventiva. Ele foi preso e autuado em flagrante pelos crimes de homicídio doloso - aquele em que o autor tem a intenção de matar -, lesão corporal e embriaguez ao volante, depois de ter causado um acidente de trânsito na avenida Coronel Teixeira, bairro Ponta Negra, na madrugada da última segunda-feira, no qual duas pessoas morreram e três ficaram feridas.

Na manhã de terça-feira, a defesa de Renato entrou com um pedido de liberdade provisória sem o pagamento de fiança. O advogado Kennedy Monteiro de Oliveira alegou, em seu pedido, que não há elementos que justifiquem a manutenção da prisão, tendo Renato o direito de responder em liberdade.

O assistente administrativo estava preso na cadeia pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, na avenida 7 de Setembro, Centro, desde o final segunda-feira e, no dia seguinte, foi transferido para o Centro de Detenção Provisória (CDP), no KM 8 da BR-174. Há informações de que a transferência do preso foi motivada pelas ameaças de morte que ele recebeu dos demais internos, assim que entrou na cadeia.

Funcionários do sistema penitenciário informaram que Renato está em uma ala onde ficam os presos que sofrem ameaças, conhecida como “ala dos jacks”, que são os estupradores. No mesmo local estão os acusados de participação e favorecimento ao crime de pedofilia, que tem como principal acusado o prefeito de Coari, Adail Pinheiro.

Parecer

O indeferimento do pedido de liberdade provisória e a conversão da prisão em flagrante para preventiva teve o parecer do promotor plantonista Raimundo do Nascimento Oliveira que avaliou que não ver nenhum fundamento plausível para a concessão da liberdade provisória do preso.

O promotor destacou que nos autos constam que após, ter ingerido bebida alcoólica, Renato se envolveu no acidente de trânsito que causou a morte de duas pessoas, conduta a revelar a tendências para cometer atos de violência.

Embriagado e em alta velocidade

O acidente provocado por Renato causou a morte de Henrique Monteiro Galvão, 18, e Keyllene Moreira de Almeida, 28, e deixou feridos Jhony Lemos Rodrigues, 24, Rodrigo de Oliveira Barroso, 16, e Wesley Silva, 17.

Renato estava voltando de uma casa de forró, na área do Tarumã, e dirigia a picape modelo S-10, de placas OAK-2643, que no Detran-AM está registrada em nome da sua irmã, a advogada Maria Auxiliadora dos Santos Benigno.

Segundo os peritos do Instituto de Criminalística (IC), além de embriagado Renato dirigia em alta velocidade, aproximadamente 130 KM/h, quando bateu na traseira de uma picape modelo Strada que estava sendo empurrada pelas vítimas. Henrique e Keyllene morreram na hora. Eles tiveram seus corpos esmagados.