Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Moradores relembram bons momentos e cobram avanço no bairro União da Vitória

Para os antigos frequentadores do bairro, a única coisa que restou foi a saudade da diversão do famoso balneário da Ponte da Bolívia. Moradores cobram do Poder Público serviços que acompanhem o crescimento da região

O bairro União da Vitória, na Zona Norte de Manaus, foi criado há duas décadas, a partir da invasão de terras federais

O bairro União da Vitória, na Zona Norte de Manaus, foi criado há duas décadas, a partir da invasão de terras federais (J. Renato Queiroz)

Pessoas tomando banho nas águas limpas, comendo peixe e aproveitando o domingo de sol. Essa é a lembrança de quem teve a oportunidade de aproveitar o famoso balneário da Ponte da Bolívia. Para os antigos frequentadores, a única coisa que restou foi a saudade da diversão.

Atualmente, o local em nada lembra o balneário. A poluição faz parte da paisagem e os moradores do bairro União da Vitória sentem falta desse que poderia ser um ponto de encontro e lazer para as famílias da área.

Segundo o aposentado Martinho Teixeira Barbosa, 69, que há 18 anos mora no bairro União da Vitória, o balneário da Ponte da Bolívia era um dos mais bonitos da cidade, e junto com o balneário do Parque 10, recebia milhares de pessoas nos fins de semana.

Se no passado a região era referência, quando se falava em desfrutar a natureza, a expansão da cidade faz do local hoje um canteiro de obras, com prédios e condomínios sendo erguidos a cada esquina. Como esse crescimento não é planejado, os moradores reclamam serviços básicos, como lazer, saúde, transporte e segurança.

A falta de espaços de lazer é uma das principais reclamações dos moradores que dizem estar perdendo os jovens do bairro para as drogas por falta de espaços que ofereçam atividades educativas.

Para Martinho, se o bairro oferecesse praças e quadras para os jovens praticar esporte, talvez os jovens não passassem a noite vendendo e consumindo drogas pelas esquinas das ruas.

“Se eles não têm o que fazer, acabam sendo influenciados por coisas ruins. O balneário era uma boa alternativa se ainda existisse, pois nessa época os adolescentes sabiam se divertir”, disse o aposentado.

O vigilante João Eudes Barbosa, 45, lembra com saudade das vezes que fugia durante a noite com os amigos para tomar banho no igarapé. “Fugir à noite para tomar banho era o máximo de desobediência que os jovens faziam”, acrescentou o vigilante.

De acordo com João, o bairro União da Vitória é um dos melhores lugares para morar, pois apesar da violência e de outros problemas estruturais, os moradores são unidos, e comparado com outros locais, não há tanta violência. “Temos sempre que pensar que tem áreas bem pior”, disse João.

Otimista, o morador explica que quando chegou ao bairro não tinha energia elétrica e água, e que hoje, apesar de precário, o serviço é oferecido. E que o crescimento trouxe o comércio que facilita bastante a vida de todos.

Infraestrutura

Estado das vias do bairro desagrada moradores Ruas Os buracos nas ruas do bairro União da Vitória é uma das reclamações dos moradores. Na rua 22, o motorista João Pedro Martins diz que os carros são danificados devido à quantidade de crateras no local. E essa não é a única rua segundo os moradores é necessário uma intervenção urgente no local.J. Renato Queiroz

Saúde

Serviço de emergência somente em outra zonaHospital O atendimento de saúde também é considerado um grande problema no bairro. A dona de casa Maria Olineide dos Santos conta que para ter atendimento de emergência é preciso se deslocar até o Pronto-Socorro João Lúcio, na Zona Leste. Em junho, o Governo do Amazonas inaugurou a primeira etapa de um pronto-socorro na Zona Norte.Divulgação

Transporte

Bairro não tem ônibus direto para o CentroÔnibus Outro motivo de reclamação dos moradores do bairro União da Vitória são as linhas de ônibus que atendem o bairro que não vão direto para o Centro, obrigando os usuários irem para o terminal da Cidade Nova pegar outro ônibus para chegar no Centro. Os moradores pedem uma linha direta do bairro ao Centro.