Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

IML registra uma morte por dia ocasionada por acidentes de trânsito, em Manaus

Somente neste final de semana, 65 condutores foram flagrados pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran-AM) dirigindo bêbados ao volante. Vara de Trânsito possui 2.500 ações, 30% relacionadas à combinação álcool e direção

Raimundo Nogueira, que é motorista de retro-escavadeiram, estava de carona dentro da cabine do caminhão caçamba no momento do acidente

No acidente mais grave do ano, com 15 mortos, motorista bebeu e se drogou (Clóvis Miranda)

As ruas de Manaus viraram um campo de guerra no qual morreram 133 pessoas nos primeiros 133 dias decorrentes de acidentes fatais, geralmente provocados por motoristas embriagados. Os dados são do Instituto de Medicina Legal (IML) e confirmam uma tendência preocupante: carros estão sendo transformados em armas letais por conta da irresponsabilidade de alguns de seus condutores. Nas operações da Lei Seca deste fim de semana 65 motoristas foram flagrados pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran-AM) dirigindo embriagados.

“Esse comportamento demonstra que as pessoas perderam a noção do valor da própria vida e das dos outros também. Isso é preocupante” diz o sociólogo David Spener.

Além das mortes, o secretário-executivo de Atenção Especial de Saúde do Amazonas, Wagner William de Souza, diz que o Brasil vive uma epidemia de acidentes automobilísticos e destaca que a curva de mortes e de sequelados teve crescimento acentuado nos últimos anos. Segundo ele, houve um momento em que 55% dos leitos da Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do hospital João Lúcio estavam ocupados por pacientes acidentados com traumas. Grande parte deles era associada a combinação álcool e volante.

Nos últimos meses dois acidentes causaram comoção na população, primeiramente pelo número de vítimas fatais seguido pela violência. No dia 28 de março a colisão entre uma caçamba, de placas OAJ-8863, e um microônibus executivo da linha 825, ocorrido na avenida Djalma Batista, causou a morte de 15 pessoas e, na última segunda-feira, na avenida Coronoel Jorge Teixeira, duas pessoas morreram esmagadas e mutiladas por uma picape S-10, de placas OAK-2643, que ainda deixou mais três feridos.

Nos dois casos a perícia constatou que os condutores dos veículos causadores dos acidentes estavam embriagados. No primeiro caso o laudo da perícia técnica feita no caminhão mostrou que o veículo não teve problemas mecânicos e o acidente foi provocado por excesso de velocidade do motorista da caçamba, Ozaias Costa de Almeida, 36, morto no acidente.

Dados colhidos do tacógrafo da caçamba apontavam uma velocidade de até 90 km/h, enquanto a permitida naquele trecho da Djalma Batista é de 40km/hora. Um outro laudo da Polícia Civil mostrou que o motorista da caçamba havia ingerido bebida alcoólica e cocaína horas antes do acidente.

O auxiliar administrativo Renato Fabiano dos Santos Benigno, 37, que dirigia a picape S-10, além de estar dirigindo com a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) em condições de ser cassada - por estar com 129 pontos na carteira - ainda trafegava a uma velocidade acima de 130 km/h, segundo os peritos do Instituto de Criminalística (IC) que foram ao local. Benigno foi submetido ao teste do bafômetro, que constatou que havia 0,69 miligramas de álcool por litro de sangue na corrente sanguínea dele, enquanto o tolerável é de, no máximo, 0,33 mg/l.

Insensibilidade


O sociólogo David Spener atribui este comportamento dos motoristas a transformações econômicas, sociais e culturais que ocorrem na vida moderna. Segundo ele, o indivíduo sente a necessidade de aparecer diante da sociedade e começa ir de encontro às convenções sociais e, com isso, perde totalmente o sentido de viver em coletividade, perde ainda a capacidade de sociabilizar-se e passa a usar a violência (no trânsito inclusive). Para Spener as mortes do trânsito causadas pelo consumo do álcool é a expressão da perda dos valores e de desrespeito as normas e à vida dos outros.

Motorista condenado a 31 anos

A mistura álcool e direção levou a Justiça a uma condenação inédita no Estado quando o motorista Cristian Silva de Souza foi sentenciado a cumprir 31 anos de prisão pelo atropelamento e morte do menino Mateus Alves Gomes, 4, e lesão corporal de três pessoas. A defesa recorreu da sentença e ele aguarda a decisão final da Justiça em liberdade.

O crime aconteceu no dia 13 de junho de 2010, durante a procissão de Santo Antonio, no bairro de mesmo nome. O cortejo passava pela rua Evangelista Brawer, onde mora a avó da criança, quando o veículo dirigido pelo acusado, Cristian Silva de Souza, tentou passar pela procissão. Embriagado, ele perdeu o controle e atingiu Mateus, e mais quatro pessoas, ao engatar uma ré para sair do local. Ele foi autuado por homicídio doloso.

O promotor Fábio Monteiro, que atuou no caso fazendo a acusação do réu, conseguiu convencer os jurados de que Cristian assumiu o risco ao ingerir bebida alcoólica, pegou o carro e saiu dirigindo em alta velocidade – o réu confessou que no momento do acidente dirigia a 60km/h – em uma rua secundária de bairro, numa ladeira onde havia muitas pessoas. Monteiro classificou o comportamento do motorista de “absurdo” e disse que a condenação de Cristian foi uma demonstração pedagógica para que outras pessoas não possam ser irresponsáveis no trânsito.

 ‘A igreja de Jesus não pode se calar’, diz pastor Joel Santos

“A pergunta a ser feita é porque as pessoas mesmo sabendo do risco teimam em dirigir sob o efeito do álcool? Muitas respostas vem sendo dado e aqui destaco as seguintes: A falta de educação para o trânsito que remete a ausência de uma política de educação que incuta valores para as crianças desde o ensino infantis, e considero isso a luz de provérbios 22:6 que realça ser preciso ensinar as crianças para que até quando envelhecer não se desvie do comportamento aprendido. Outra vertente aponta para uma geração dada ao hedonismo irresponsável, que busca o prazer sem atentar para as conseqüências, uma geração que não entende limites e desconhece que os seus direitos cessam quando começa os dos outros. Essa é uma questão muito complexa, é necessário ir além das campanhas afirmando: ‘se beber não dirija’. É preciso que toda mídia realce os melhores exemplos”.

Blog - Henrique Veiga Juiz da Vara de Acidente de Trânsito

“Temos na Vara em torno de 2,5 mil processos tramitando. Desses, eu garanto que 30% tem ligação com o uso do álcool e volante. Os casos de morte não ficam aqui e são encaminhados para as varas do Tribunal do Júri, mas é um número elevado. É um absurdo! A taxa de morte em acidente de trânsito do Brasil, quando comparada com a do resto do mundo, é muito alta. A vara atende delito de trânsito culposo, imprudência, negligência e imperícia. No caso do ônibus com a caçamba não gerou processo criminal porque o autor se condenou com a morte. Casos como esses a ação penal não é gerada. A primeira coisa para evitar acidentes é observar as normas e em hipótese nenhuma misturar direção com bebida”.