Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Plataformas do antigo Expresso esperam por reforma em completo estado de abandono

Plataformas do antigo Expresso, rebatizado de BRS (Bus Rapid System), na Cidade Nova, esperam pela reforma em completo estado de abandono

Plataforma, na avenida Max Teixeira, está há tanto tempo abandonada que até mato cresceu em meio ao cimento

Plataforma, na avenida Max Teixeira, está há tanto tempo abandonada que até mato cresceu em meio ao cimento (Clóvis Miranda)

As plataformas do antigo sistema Expresso de transporte coletivo instaladas nas avenidas Max Teixeira e Noel Nutels, no bairro Cidade Nova, na Zona Norte, continuam literalmente caindo aos pedaços. Elas estão tomadas pelo lodo causado pelo acumulo de chuva e completamente danificadas e abandonadas. Até mato começou a crescer em uma delas evidenciando a total falta de manutenção desde a implantação do sistema há 14 anos, na gestão do então prefeito e hoje senador Alfredo Nascimento (PR).

As peças metálicas da cobertura das plataformas estão penduradas a poucos metros de cair sobre os veículos que passam pelo local. Ao todo, existem 13 plataformas instaladas do início da avenida Max Teixeira até a rotatória conhecida como “Bola do SOS”, próximo ao Hospital Francisca Mendes, na avenida Camapuã. Oito delas estão instaladas do início da Max Teixeira, passando pela avenida Noel Nutels até o terminal de integração 3 (T3), entregue pelo município após sua primeira reforma, desde que foi construído em 2001. As outras cinco estão distribuídas do T3 até a avenida Campauã.

Para a estudante Gisele Guerreiro, 22, o contraste entre as plataformas da Cidade Nova e as reformadas pela prefeitura nas Zonas Centro-Oeste e Leste é evidente. “É a prova do quanto nossos governantes estão preocupados com nosso dinheiro. O atual prefeito ainda está trabalhando, mas essas plataformas do ‘estresso’ não receberam atenção nenhuma dos últimos prefeitos e ficaram do jeito que estão. Se reformaram as outras só porque ficam próximo ao estádio feito só para a Copa, precisam reformar as da Cidade Nova também”, disse.

A prefeitura entregou 13 plataformas reformadas do antigo Expresso, rebatizado de Bus Rapid System (BRS) entre a avenidas Constantino Nery e Torquato Tapajós e outras 8 na avenida Autaz Mirim, no último sábado, entre a Bola do Produtor e o terminal de integração 4.

Elas fazem parte da solução provisória para o plano de mobilidade urbana de Manaus para à Copa do Mundo de Futebol. Em abril de 2013, a prefeitura informou que reformaria prioritariamente 13 plataformas, localizadas nas avenidas Max Teixeira, Torquato Tapajós e Constantino Nery, que ligam a Zona Norte ao Centro de Manaus com um custo aproximado de R$ 1 milhão.

No entanto, a prefeitura iniciou a reestruturação das plataformas para BRS ao custo de R$ 1.242.852,25, referente ao 13 abrigos que compreendem o eixo Norte-Sul com as avenidas Constantino Nery e Torquato Tapajós.

Expresso custou R$ 25 milhões

As plataformas do Expresso foram construídas na administração Alfredo Nascimento com recursos obtidos em um empréstimo no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no valor de R$ 12 milhões, com contrapartida de 10% do município. Alfredo Nascimento comandou a Prefeitura de Manaus no período de 1998 a 2004, renunciou ao cargo para disputar uma vaga ao Senado. A dívida foi paga pela administração do ex-prefeito Serafim Correa, sendo que o ex-prefeito esclareceu que pagou R$ 25 milhões ao BNDES, R$ 13 milhões a mais que o valor informado por Alfredo.

Alfredo Nascimento atribuiu aos seus sucessores, Luiz Alberto Carijó e Serafim Corrêa, a falência do Expresso, em entrevista A CRÍTICA, há quatro anos. Na época, ele afirmou que o projeto foi interrompido quando ele deixou a prefeitura.

Licitação está aberta e obra deve iniciar em abril

A Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), responsável pelo sistema, informou que a implantação do BRS nas avenidas Max Teixeira e Noel Nutels só pode ser realizada após a conclusão da obra pela Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf).

Conforme a Seminf, 12 plataformas do BRS localizadas na avenida Noel Nutels estão previstas para serem reformadas e entregues no próximo mês de maio. A obra será realizada em apenas um mês, uma vez que, a licitação que definirá a empresa responsável pela obra será realizada no dia 3 de abril. Logo após o certame os trabalhos serão iniciados, diz a Seminf.

As plataformas foram construídas por Alfredo Nascimento, pagas por Serafim Corrêa e não receberam nenhuma intervenção de Amazonino Mendes que achou melhor abandoná-las e investir na renovação da frota de ônibus. As plataformas Expresso estão sendo reformadas pela administração Artur Neto como alternativa de mobilidade para a Copa do Mundo.

A reforma começou pela avenida Constantino Nery que faz parte do trecho chamado “Quadrilátero da Copa”, que abrange ainda as avenidas Torquato Tapajós, Djalma Batista e Pedro Teixeira, consideradas os principais corredores para a atender os expectadores da Copa do Mundo.

O serviço contempla a reestruturação completa das antigas paradas do falido sistema Expresso. A implantação de outros 16 abrigos do eixo Leste, nas avenidas Camapuã, Cosme Ferreira e Grande Circular, fazem parte do segundo lote de trabalho, que assim completará a estrutura necessária para o funcionamento do BRS em Manaus.