Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Asfalto esburacado: Prefeitura recorre ao Exército para resolver situação de Manaus

Prefeitura recorre ao Exército para ajudar a resolver situação de Manaus, que tem solo arenoso e precisa de trabalho na base

Retorno em frente á Ufam, no início de abril: em um mês, obra que tinha sido entregue já apresentava sinais de deterioração

Retorno em frente á Ufam, no início de abril: em um mês, obra que tinha sido entregue já apresentava sinais de deterioração (Evandro Seixas)

O Exército passará a atuar na pavimentação das ruas de Manaus a partir de junho, dentro de pacote de obras de verão, anunciado na última quinta-feira pelo Prefeito Artur Neto. Dois editais de licitação deverão ser lançados na próxima semana: um para aluguel de equipamentos e máquinas pesadas e outro para contratar empresa para elaborar o projeto básico de recapeamento de 200 km de vias que deverá ser executado nos quatro anos de governo. O orçamento para o projeto é de R$ 11 milhões, segundo a Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação (Seminfh).

Esta é a segunda vez que a administração municipal conta com a parceria dos militares. Em 1989, durante o primeiro mandato de Arthur Neto como prefeito de Manaus, os militares atuaram na limpeza de ruas da cidade.

O emprego da engenharia militar em benefício do Estado decorre da Lei Complementar nº 117, de 2 de setembro de 2004, que diz que cabe ao Exército “[...] cooperar com órgãos públicos(..) e, excepcionalmente, com empresas privadas, na execução de obras e serviços de engenharia, sendo os recursos advindos do órgão solicitante”.

Onde as técnicas e materiais empregados nas obras são executados pelo Exército, as fundações são largas, a rodovia é construída com uma camada superior de 22 centímetros de concreto, a exemplo da BR-101, que liga Recife à Natal. A obra executada em 2009 foi considerada uma das mais caras e mais difíceis de ser feita, no entanto, a estimativa de vida útil é de 40 a 50 anos, ao passo que uma rodovia convencional tem vida útil de dez anos, isso, considerando a manutenção adequada.

De acordo com o 2º Grupamento de Engenharia do Comando Militar da Amazônia (CMA), o retorno para as forças militares se dá com o adestramento da tropa, que se torna mão de obra qualificada para o mercado de trabalho.

A partir do momento em que o Exército recebe solicitação formal para realizar obras de cooperação com órgãos públicos , elabora-se um estudo de viabilidade técnica e ambiental que contribui para definir o modo como a Engenharia Militar poderá realizar o trabalho.

No pacote anunciado pela Prefeitura, o Exército executará ações na Ponta Negra e avenida Pedro Teixeira, na zona Oeste, em um total de sete quilômetros, o que poderá ser ampliado. Além disso, estão previstos o recapeamento de vias principais como Djalma Batista e Constantino Nery, que ficará a cargo do Governo do Estado, em um total de 50 km. A Prefeitura será responsável por outros 55 km, número que deve ser ampliado. 

Segundo o prefeito Artur Neto, estudos da prefeitura mostram que 90% dos veículos existentes na cidade passam ao menos uma vez por dia em uma das cinco avenidas que serão recuperadas.

Emulsão asfáltica a frio

A Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) iniciou operações de recuperação das principais vias da cidade no início de abril, com o caminhão espargidor de asfalto, com capacidade para cinco toneladas de material asfáltico.

A máquina, de propriedade da própria secretaria, foi projetada e fabricada para operar com emulsão asfáltica a frio. Ela pode suprir o trabalho realizado por duas ou três equipes de infraestrutura. Além disso, em caso de chuva, o caminhão pode ser coberto e ligado à rede elétrica, para que a temperatura do material seja conservada por até 48 horas.

O caminhão espargidor de asfalto deverá operar nos plantões noturnos, iniciados pela secretaria desde o último dia 8 com o objetivo de recuperar as principais vias da cidade sem causar prejuízos aos motoristas, em vias de grande fluxo como Djalma Batista, Constantino Nery, André Araújo, Alameda Cosme Ferreira, Tefé e ruas do Centro.