Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Presidente do PPS dispara críticas ao prefeito de Manaus sobre demissão de militantes

Guto Rodrigues questionou a demissão dele do cargo de secretário na Secretaria Municipal de Trabalho, Emprego e Desenvolvimento (Semtrad) e de mais 14 pessoas ligadas ao partido. Prefeito Artur Neto (PSDB) foi alvo de críticas

Ex-titular da Semtrad Guto Rodrigues e o vice-prefeito Hissa Abrahão criticam Artur

Ex-titular da Semtrad Guto Rodrigues e o vice-prefeito Hissa Abrahão criticam Artur (Antônio Menezes)

O presidente estadual do PPS, Guto Rodrigues, reagiu nesta quinta-feira (24) à demissão dele do cargo de secretário na Secretaria Municipal de Trabalho, Emprego e Desenvolvimento (Semtrad) e de mais 14 pessoas ligadas ao partido na pasta e atribuiu a exoneração à perseguição política.

Guto convocou entrevista coletiva onde disparou críticas ao prefeito Artur Neto (PSDB). O ex-secretário disse que uma comissão foi criada na Semtrad enquanto ele estava em Brasília semana passada para contabilizar todas as pessoas ligadas ao PPS que deveriam ser demitidas por orientação de Artur via Casa Civil. “Eu estava afastado e essa lista corria como zombaria. Ele fez comigo o que fez com o Hissa. Demitiu o Hissa pelo rádio. A mim, ele demitiu eu estando em Brasília. Trabalhando para trazer recursos”, reclamou o dirigente.

A exoneração foi publicada na edição de quarta-feira do Diário Oficial do Município (DOM-Manaus). No lugar de Guto, assume o vereador licenciado David Reis (PSDC), nomeado no mesmo dia, que estava ocupando cargo de secretário extraordinário.

Em dezembro de 2013, Artur Neto demitiu publicamente Hissa Abraão do posto de secretário de Infraestrutura, após desentendimentos. Com a saída dele, cerca de 100 filiados do PPS foram exonerados da Seminf. Hissa irritou Artur ao expressar desejo de disputar o governo, insistindo em articular sua pré-candidatura contra a vontade do prefeito, então aliado. Em junho, o PPS fechou aliança com Eduardo Braga.