Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Varejo local estima faturar R$ 97 milhões no Dia dos Namorados

Lojistas de Manaus esperam que consumidores movimentem essa quantia na compra de presentes por conta da data. Expectativas para a Copa não são as melhores

Comércio vai esticar expediente para o Dia dos Namorados

Expectativa dos lojistas é a de que a seleção brasileira consiga empolgar o torcedor e avance para a final da Copa (Luiz Vasconcelos )

O varejo local espera faturar R$ 97 milhões com as compras relativas ao Dia dos Namorados. Caso isso ocorra, terá registrado crescimento de 4% em relação ao mesmo período no ano passado.

Eles, porém, não demonstram o mesmo otimismo quanto aos efeitos da Copa no comércio de Manaus. “Sem Brasil na final do torneio da Fifa, a economia despenca”, disse o presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Manaus (CDL-Manaus), Ralph Assayag.

Ele explicou que o comércio funcionará durante a Copa em horário reduzido, e o sucesso das vendas dependerá da performance da seleção de Felipe Scolari.

Como o Dia dos Namorados coincidirá com a abertura da Copa, o comércio inciará com o pé direito. A partir daí, vai depender dos resultados que serão obtidos pela escrete canarinho. “Se a seleção brasileira conseguir manter-se viva na competição, o comércio deve lucrar bastante, porque a alegria e o embalo do evento irão estimular as compras”, afirmou Ralph Assayag.

Centro

No Centro da cidade, em dias de jogos da seleção brasileira, o comércio vai fechar duas horas antes da partida e reabrir uma hora após o término.

Já nos dias de jogos na Arena da Amazônia (14, 18, 22 e 25 de maio), o comércio encerra o expediente três horas antes do início das partidas e não reabrirá após o final dos jogos.

Essa informação foi confirmada ontem pela CDL-Manaus, por meio de nota oficial.

Shoppings

Os shoppings instalados em Manaus vão seguir horários independentes, definidos por cada um desses estabelecimentos. Alguns deles já se adiantaram e divulgaram a forma como funcionarão. Outros deixaram para dar essa informação mais à frente.

O Shopping Ponta Negra e o Manaus Plaza, segundo suas assessorias de imprensa, vão fechar uma hora antes dos jogos do Brasil e reabrir uma hora após o término das partidas. Já durante os jogos das outras seleções, mesmo os que ocorrerem em Manaus, esses dois shoppings vão funcionar normalmente, sem interrupções.

O Millenium informou que seguirá uma programação parecida, a única diferença é que o centro de compras vai fechar 30 minutos antes dos jogos do Brasil e abrir 30 minutos depois.

Procuradas pela reportagem, as assessorias do Manauara e do Amazonas Shopping, ambos próximos à Arena da Amazônia, informaram que o horário de funcionamento no período dos jogos ainda não foi decidido, mas deve ser definido e anunciado até o final da semana.

Setor de bebidas pode faturar bem

Para Ralph Assayag, o clima festivo do torneio mundial de futebol da Fifa deve contagiar os manauaras, fazendo-os gastar mais enquanto a seleção canarinho estiver em campo, obtendo resultado positivo.

Na opinião dele, seja reunindo amigos para ver os jogos ou decorando o bairro, os manauaras não devem economizar na hora de torcer. “Afinal, não é todo dia que a Copa acontece ‘em casa’”.

O setor que mais poderá tirar proveito do sucesso do Brasil no mundial do futebol é o das bebidas, segundo Ralph Assayag, seguido dos alimentos e artigos de decoração temáticos.

“Não podemos afirmar com exatidão como o comércio seguirá durante os jogos, porque não temos históricos para comparar. Porém, acredito que esses seguimentos devem registrar o maior aumento nas vendas, caso o Brasil fique até a final, claro, caso contrário, serão os que mais sofrerão”, ponderou Assayag.

Ainda segundo a estimativa do presidente da CDL-Manaus, os únicos setores que não dependem dos gols do Brasil são construção e ferragem. “Ambos devem apresentar quedas nas vendas, com Brasil em campo ou não”.