Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Trabalho voluntário de fisioterapia recupera crianças com câncer em Manaus

Iniciativa vem sendo realizada na sede do GACC, na Zona Centro-Oeste de Manaus, e tem trazido qualidade de vida a menores que passam pelo sofrimento da quimioterapia ou tiveram membros amputados

Trabalho ajuda a superar dificuldades do tratamento

Voluntários ajudam a superar dificuldades do tratamento (Divulgação)

Crianças em tratamento contra o câncer em Manaus estão recuperando os movimentos com apoio da fisioterapia. O trabalho é feito de forma voluntária e coordenada pelo Instituto Amazonense de Aprimoramento de Ensino em Saúde (Iapes) na sede Grupo de Apoio à Criança com Câncer (GACC), Zona Centro-Oeste de Manaus.

No último sábado, dia 10, uma nota etapa de atendimento foi realizada pelo grupo de fisioterapeutas voluntários na sede do Gacc. De acordo com o diretor-presidente do Iapes, Daniel Xavier, o trabalho melhora a qualidade de vida das crianças, que têm suas habilidades de movimento recuperadas. “Todas as crianças que atendemos já passaram por processos agressivos no tratamento contra o câncer. Além da quimioterapia, algumas tiveram membros amputados”, destacou. 

A dona de casa Ananda Gabriele, 20 anos, mãe de menina de quatro anos com diagnóstico de câncer na retina, destacou que o trabalho de fisioterapia tem auxiliado a filha a ter mais firmeza nas pernas e nos braços.  “Ela consegue levantar com mais segurança e também ter mais firmeza no braço”, afirmou.

De acordo com Daniel Xavier, a criança que tem o diagnóstico de câncer e passa pelos tratamentos vai precisar constantemente da fisioterapia. “Dependendo do tratamento, a criança perde algumas funções de movimento, que só podem ser resgatadas com o trabalho fisioterapêutico”, disse.

No Brasil, o câncer já representa a primeira causa de morte por doença entre crianças e adolescentes de 1 a 19 anos, para todas as regiões, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Nas últimas quatro décadas, o progresso no tratamento do câncer na infância e na adolescência foi extremamente significativo.

Segundo o Inca, o câncer infantil corresponde a um grupo de várias doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo. Os tumores mais frequentes na infância e na adolescência são as leucemias (que afeta os glóbulos brancos), os do sistema nervoso central e linfomas (sistema linfático).

* Com informações do rupo de Apoio à Criança com Câncer (GACC).