Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Quadrilha que passava nas 'bocas' para cobrar dinheiro do tráfico é presa em Manaus

Cinco homens foram pegos dentro de um Celta com drogas, armas, joias e R$ 2.220 mil. Um deles era foragido da Justiça e outros dois com envolvimento em três homicídios na capital


A quadrilha tinha hora certa para passar nas bocas e cobrar o gerente do ponto o faturamento da venda de drogas

A quadrilha tinha hora certa para passar nas bocas e cobrar o gerente do ponto o faturamento da venda de drogas (Lucas Silva)

A polícia conseguiu desarticular na noite de quarta-feira (22) parte do sistema de tráfico de drogas no bairro Zumbi, Zona Leste de Manaus. Cinco homens, investigados desde ano passado, foram presos com drogas, armas, joias e dinheiro no momento que passavam de carro por 'bocas de fumo' da região para recolher cobranças. Três deles já eram fichados no mundo do crime, sendo dois por envolvimento em três homicídios já com mandados de prisão, e outro que é foragido da Justiça do Amazonas.

Segundo policiais civis do 25º Distrito Integrado de Polícia (DIP), o líder do bando é Francisco Eder Ferreira da Silva, 18, vulgo "Botinho", que também seria membro da facção criminosa Família do Norte (FDN). Ele e os quatro comparsas foram capturados na rua Jauari, Zumbi, dentro do Celta prata de placas NOO-9116. Conforme investigação, "Botinho" já teria mandado matar três pessoas por dívidas do tráfico, sendo a vítima mais recente José Cabral, morto em fevereiro de 2013 na rua Doutor Edson, Zumbi.

Outro integrante do grupo considerado perigoso pela polícia é o cunhado e "braço direito" de Francisco, Sérgio Eduardo da Silva Cardenas Júnior, 20, o "Junior Cuia", que também teria participação ativa nos três homicídios arquitetados "Botinho", a morte de José Cabral e mais dois assassinatos investigados pela Delegacia de Homicídios (DEHS). Além desse flagrante no Celta, a polícia vai incluir na ficha de Sérgio e "Botinho" os mandados de prisão expedidos pelos três homicídios. Os dois também vão depor na DEHS.

O resto da quadrilha presa é Adriano Farias de Souza, 20, Jonh Ebson Colares de Sá, 18, e Edvilson Ramires de Oliveira, 20. Edvilson é foragido do sistema semiaberto do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), onde cumpria pena por roubo. No carro foram apreendidas três trouxinhas de crack, três de maconha, dez de cocaína, três porções de oxi, celulares, um revólver calibre 38, uma balança de precisão, relógios e joias de luxo e ainda R$ 2.220 em espécie.

Conforme a polícia, essa quantia em dinheiro é a soma das cobranças feitas pelo grupo naquela noite e "Botinho" chega a faturar R$ 9 mil por dia. "Eles têm horário que passam recolhendo dinheiro (nas 'bocas de fumo'). A droga chega às 5h30 através de um mototaxista e eles recolhem a noite”, informou o delegado do 25º DIP, Adriano Félix. Os cinco homens serão autuados por tráfico, associação para o tráfico de drogas, porte ilegal de arma de fogo e formação de quadrilha e levados à cadeia publica.

"Toda vez eles fazem isso. Um rapaz disse que essa balança foi forjada. A gente não empata a polícia, mas eles não estão envolvidos. Minha cunhada está "puxando" cadeia e eles falam que vão me colocar também, que sou envolvida com tráfico. Só porque sou do (bairro) Zumbi? Eles acham que todo mundo de lá (Zumbi) não é gente do bem", relatou a prima de "Botinho", de 31 anos, que não quis se identificar. Assim como ela, dezenas de familiares dos presos estavam no 25º DIP e ficaram desesperados com a prisão.

Festa da FDN

Segundo policiais do 25º DIP, "Botinho" por pouco não foi preso em junho de 2013, quando a polícia prendeu 14 traficantes membros da FDN em uma festa ocorrida na “Chácara do Igor”, rua Xapori, loteamento Parque Riachuelo, bairro do Tarumã, Zona Oeste. Na época, um dos comandantes da FDN, Vainer de Matos Magalhães, o “PP”, foi preso.