Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Mudança de cenário: celebrando as festas em meio à natureza

Morador da Comunidade do Lago do Limão, em Iranduba, diz que vai soltar foguetes, mas sem deixar de estar atento ao canto dos pássaros


O aposentado Mílton Vieira Lopes, 69, que vive desde criança no Amazonas, aprendeu a valorizar as raízes caboclas

O aposentado Mílton Vieira Lopes, 69, que vive desde criança no Amazonas, aprendeu a valorizar as raízes caboclas (Luiz Vasconcelos)

Uma noite com a família, comendo, bebendo, soltando foguetes, mas parando para prestar atenção no canto dos pássaros, que não tem hora pra acontecer, na comunidade Lago do Limão. Assim será a noite de natal do aposentado Mílton Vieira Lopes, 69, e da esposa dele, Eucione Alves da Silva, 38. Enquanto anuncia já ter comprado os fogos, que serão usados também na virada do ano, Mílton considera-se um privilegiado por viver num lugar onde a natureza ainda é preservada, tendo a possibilidade de pescar a comida do dia.

Na verdade, os moradores do Lago do Limão, situado no município de Iranduba (a 25 quilômetros de Manaus), se preparam para comemorar as festas de Natal e Ano Novo seguindo o modelo tradicional das áreas urbanas. A diferença é o cenário e isso, segundo eles, muda tudo. Agente de saúde, Eucione destaca que, no local, a tranquilidade ainda é mantida, mas há preocupação pelo fato de ver muita gente comprando terras no entorno. “Muitas pessoas estão ganhando dinheiro com os turistas e visitantes”, explicou.

Felicidade

Um dos moradores mais antigos, Mílton vive no lago há mais de 40 anos e diz que as festas acontecem dentro das casas. Natural do Ceará, seu Mílton vive no Amazonas desde criança e, por isso, conhece bem a zona rural. Hoje morando na rua Curió, que acaba onde começa o Lago do Limão, ele tem carro na garagem, mas mantém no porto canoas e um flutuante onde, nos finais de semana, faz funcionar um restaurante inaugurado recentemente. De lá, aprecia os peixes se movimentando nas águas e pensa no prazer de pescar. “Estamos nos preparando para receber bem as pessoas que visitam nossa comunidade”, disse ele.

Mílton fala da importância do nascimento de Jesus Cristo como um momento de estar mais próximo da família. Sem ter a possibilidade de fazer uma festa comunitária, pretende soltar foguetes no dia 25 e no Ano Novo, comer e beber ouvindo o alegre som da natureza, já que os pássaros, de quando em quando, dão o ar da graça cantando e alegrando as noites. Nesse dia 25 não deve ser diferente.

Pressão

A comunidade do Lago do Limão tem aproximadamente 2,6 mil moradores e ainda conserva características da vida rural, apesar da pressão cada vez maior causada pelo aumento do número de visitantes, que tiveram o acesso facilitado pela ponte do Rio Negro.