Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Atraso de projetos na área do turismo preocupa Poder Público

Auditoria do Tribunal de Contas da União aponta dois convênios no Amazonas, na área do turismo, com execução lenta. Relatório revela que só 16% de obras visando a Copa do Mundo da FIFA têm chance de ser concluída dentro do prazo


Manaus é uma das 12 cidades que vão sediar a Copa do Mundo. O evento, segundos os governantes, serviria para acelerar investimentos em várias áreas, entre elas o turismo

Manaus é uma das 12 cidades que vão sediar a Copa do Mundo. O evento, segundos os governantes, serviria para acelerar investimentos em várias áreas, entre elas o turismo (Clóvis Miranda)

Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) mostra que os governantes locais terão dificuldade em aproveitar a Copa do Mundo até mesmo para vender Manaus como destino turístico.

Relatório de fiscalização da aplicação de recursos do Ministério do Turismo (MTur) pelos Estados mostra que apenas 16% dos contratos de obras em infraestrutura turística, prometidas para a Copa, têm chance de ser concluídas antes do evento.

Segundo o TCU, nenhuma das ações que são fundamentais por se tratarem de infraestrutura com vista a proporcionar aos turistas e moradores das cidades-sede informações sobre os pontos turísticos e arenas dos jogos ainda não saíram do papel.

Dos 37 contratos auditados pelo TCU onde foi constatado que sequer a execução física dos projetos foi iniciada, dois são do Governo do Amazonas. O valor contratado soma R$ 7,7 milhões. Ambos foram celebrados no dia 19 de outubro de 2012.

A auditoria nos contratos dos Estados e cidades-sede com o MTur foi realizada entre setembro e outubro de 2013. E o resultado foi publicado no último dia 5. De acordo com o TCU, o volume de recursos fiscalizados alcançou o montante de R$ 127,9 milhões.

Um dos contratos do MTur com o Amazonas citados no relatório do TCU é para a implantação de sinalização turística de Manaus. O valor contratado é R$ 2 milhões. O outro contrato é com o Estado que o ministério garantiu recursos para projetos e obras de acessibilidade. O valor é de R$ 5,7 milhões.

O contrato para projetos e obras de acessibilidade (777550/2012), no valor de R$ 5,7 milhões, está com pendências no projeto básico, portanto, não está autorizado a iniciar a execução do objeto. Já a situação do contrato 770352/2012 (Implantação da sinalização turística de Manaus) é normal. Mas a execução do objeto não iniciou.

As ações de infraestrutura do turismo para Manaus foram incluídas na matriz de responsabilidade da Copa do Mundo no dia 1º de fevereiro de 2013. Um ano depois, nada foi executado.

Assinaram o termo aditivo à matriz de responsabilidade se comprometendo em executar os projetos de infraestrutura turística em Manaus o governador do Estado, Omar Aziz (PSD), o prefeito de Manaus Artur Neto (PSDB), e o ministro do Esporte, Aldo Rebelo (PCdoB).

No documento, a Prefeitura de Manaus se compromete em implantar Centros de Atendimento ao Turista (CAT). O investimento previsto era de R$ 6,6 milhões. A ação deveria ser concluída esse mês.

O Governo do Estado prometeu sinalizar os atrativos turísticos de Manaus. O valor utilizado no projeto seria R$ 2 milhões. E deveria ter sido concluído em maio de 2013.

‘Prefeitura tem se esforçado’

O diretor-presidente da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos, Bernardo Monteiro de Paula, diz que, da parte da Prefeitura de Manaus, não falta esforço para apresentar a melhor imagem de Manaus aos turistas durante a Copa do Mundo.

“Desde o dia 1º de janeiro de 2013, a prefeitura trabalha para entregar uma cidade ainda mais bonita. E não só para quem vem assistir a Copa, mas para os cidadãos de Manaus. A gente precisa transformar essa grande oportunidade em resultados para o turismo”, afirma Bernardo.

Segundo Bernardo, os Centros de Atendimento ao Turista na cidade já poderiam estar implantados, mas a administração do ex-prefeito Amazonino Mendes (PDT) não se interessou pelo projeto.

Quando Artur Neto (PSDB) assumiu a Prefeitura de Manaus, em janeiro de 2013, o Ministério do Turismo (MTur) ofereceu novamente o projeto, que interessou à nova administração, disse Bernardo.

As responsáveis pelo atraso

O convênio para projetos de acessibilidade, no valor de R$ 5,7 milhões, foi assinado com a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra). A pasta é administrada por Waldívia Alencar.

Já o contrato para a sinalização turística de Manaus foi firmado com a Empresa Estadual de Turismo (Amazonastur).  O órgão é presidido por Oreni Braga.

Na quinta-feira, A CRÍTICA buscou informações da Seinfra. A assessoria da secretaria prometeu responder aos questionamentos na sexta-feira, o que não aconteceu até o fechamento da matéria.

A reportagem tentou entrevista com a presidente da Amazonastur, na segunda-feira. Segundo a assessoria de imprensa da empresa, Oreni Braga estava com viagem marcada para Milão, na Itália. Mas responderia às perguntas por e-mail.

Até a noite de sexta-feira, a assessoria da Amazonastur não respondeu ao e-mail da reportagem, enviado na terça-feira. Nem retornou as ligações feitas ao 84xx-12xx.