Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Cachorro encontra criança de três anos perdida há 11 dias na tundra siberiana

A pequena Karina Chikitova, de três anos, saiu de casa para tentar seguir o pai e não voltou para a casa. Um cachorro de estimação da família, que lhe forneceu aquecimento durante a noite, ajudou a equipe de socorro a localizar a criança

Equipe de resgate volta da floresta após ser guiada pelo cão até o paradeiro da criança

Equipe de resgate volta da floresta após ser guiada pelo cão até o paradeiro da criança (Reprodução)

Uma menina russa identificada como Karina Chikitova, de apenas 3 anos de idade, foi encontrada na tundra siberiana por um cão de resgate após ficar 11 dias perdida. O cachorro encontrou Karina e voltou ao vilarejo e guiou a equipe de resgate até o paradeiro da criança nesta segunda-feira (11).

Segundo a agência lusa de notícias ‘PtJornal’, apesar de tanto tempo no meio da floresta, a garota estava com ‘boa aparência’ e sobreviveu ao se alimentar de pequenas frutas, beber água de um córrego e usar o próprio cão para se aquecer. A tundra da Sibéria, região no leste das Rússia, é conhecida por ser o lar de ursos e lobos e pelo clima abaixo de zero graus Celsius durante todo o ano.

Desespero

Karina Chikitova vive em uma aldeia remota da região e perdeu-se ao tentar seguir seu pai, no dia 29 de julho. A mãe estranhou a ausência da criança e entrou em contato com o pai, quatro dias após o desaparecimento.

O desespero tomou conta dos pais até que, nove dias depois do desaparecimento, o cão regressou a casa.

O porta-voz dos serviços regionais de proteção civil, Afanasiy Nikolayev, salientou que esse regresso foi fundamental para o socorro: “foi quando percebemos que ela podia ter sobrevivido”.

As equipes de resgate seguiram o cão, que guiou a comitiva até ao local onde a menina se encontrava. Além de ter guiado as equipes de socorro, o cão foi a principal fonte de aquecimento de Karina durante as noites, quando as temperaturas podem descer até aos seis graus Celsius.