Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Amazonas teve aumento de 157,2% no número de homicídios entre 2002 e 2012, diz estudo

A informação é do Mapa da Violência 2014, que analisa tendências nos óbitos violentos do país até 2012 e foi divulgado nesta quarta-feira (2)


Números do Estado superam médias regional e nacional

Números do Estado superam médias regional e nacional (Márcio Melo)

O Amazonas, ainda sob os efeitos inebriantes de ter tido sua capital como cidade-sede da Copa do Mundo 2014, ganha agora um título infame: teve um aumento de 157,2% no número de homicídios entre 2002 e 2012, indo de 512 a 1.317 registros.

A informação é do Mapa da Violência 2014, que analisa tendências nos óbitos violentos do país até 2012 e foi divulgado nesta quarta-feira (2). O estudo é a versão completa da prévia lançada em maio e revela dados alarmantes como o Estado ficar acima das médias regional (107,6%) e nacional (13,4%) de crescimento de número de homicídios.

Os dados não melhoram na análise das taxas: o Amazonas registrou 17,3 a cada 100 mil habitantes em 2002 e 36,7 para a mesma proporção em 2012, sofrendo um aumento de 112,2%, também acima das médias regional (71,5%) e nacional (2,1%). Com essa taxa, o Estado ocupa a 11ª posição no ranking das UFs mais homicidas do país.

Jovens

Os homicídios entre a população jovem também apresentou aumento no Amazonas na década: saímos de 313 homicídios registrados em 2002 para 728 em 2012, um aumento de 132,6%. A Região Norte saiu de 1.577 em 2002 para 3.271 em 2012, experimentando acréscimo de 107,4% e o Brasil saiu de 27.655 para 30.072 no mesmo período, o que representa apenas 8,7%. Também nessa década, o Estado subiu de 14º para 13º na lista de UFs com maiores taxas de homicídios.

O quadro se mantém nas taxas: o Amazonas foi de 34,6 para 68,7 homicídios a cada 100 mil jovens, apresentando crescimento de 98,7%, maior que as médias regional (75,1%) e nacional (2,8%). Esse crescimento fez o Estado ocupar o 9º lugar no ranking das UFs que mais tiveram aumento nos homicídios juvenis.