Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Anvisa lança projeto para fiscalizar qualidade de estabelecimentos de alimentação

Bares, restaurantes e lanchonetes de Manaus estão sendo classificados conforme o atendimento às regras sanitárias


Gerente da DVisa, Fernando Branco ressalta a importância da pesquisa para a melhoria da qualidade dos estabelecimentos

Gerente da DVisa, Fernando Branco ressalta a importância da pesquisa para a melhoria da qualidade dos estabelecimentos (Euzivaldo Queiroz)

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou um projeto piloto para classificação de bares, restaurantes e lanchonetes, voltado para a Copa do Mundo. O projeto classifica os estabelecimentos participantes em A, B, C e Pendentes. De acordo com os critérios de maiores e menores falhas, cada estabelecimento receberá um selo de identificação para orientar os consumidores.

Segundo o relatório apresentado pelo órgão de vigilância sanitária, dos 163 estabelecimentos de Manaus que participaram do projeto, apenas 3% foi classificado na categoria A e oferecem serviços que cumprem rigorosamente a legislação sanitárias. As falhas encontradas nesses estabelecimentos são de pouca importância.

Na categoria B, o resultado alcançou a marca de 41% dos bares, restaurantes e lanchonetes. Já na C o número foi de 34% dos locais inseridos. O número de estabelecimentos  na categoria Pendentes chegou a 22 %.

Os bares, restaurantes e lanchonetes classificados como pendentes são  aqueles  no qual a quantidade de falhas se coloca em um patamar inaceitável.

De acordo com o gerente da vigilância de produtos do Departamento de Vigilância Sanitária Municipal (Dvisa), Fernando Branco, o projeto já está no segundo ciclo em Manaus e os resultados parciais dessa fase são  melhores. O número de bares e restaurantes classificados na categoria A subiu para 13,3%, na B 50%, na C 11,52% e na categoria pendente 11,52% dos estabelecimentos estão completamente fora dos padrões. Ainda de acordo com Fernando Branco, os locais inseridos na categoria pendentes foram autuados e em alguns casos perderam até a licença para funcionar.  

Os critérios pontuam os  serviços de alimentação pela qualidade sanitária ou pelo grau de atendimento às normas que visam proteger os consumidores dos riscos  associados ao consumo de alimentos. Essa  classificação fica disponível ao   consumidor, dando a oportunidade de que o mesmo conheça a qualidade sanitária dos  serviços de alimentação que ele utiliza e faça escolhas mais conscientes.

Segundo Fernando Branco depois da divulgação dos resultados da primera fase os donos de estabelecimento começaram a se adequar para receber melhores notas.