Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Artur usa convenção municipal do DEM para criticar Dilma

Prefeito cobrou, de novo, os R$ 360 milhões prometidos pela presidente, e disse que o povo está exausto com o governo dela

Prefeito Artur Neto, governador José Melo e o ex-governador Omar Aziz durante a convenção na qual o DEM reafirmou o compromisso de marchar com o Pros

Prefeito Artur Neto, governador José Melo e o ex-governador Omar Aziz durante a convenção na qual o DEM reafirmou o compromisso de marchar com o Pros (Euzivaldo Queiroz)

O prefeito Artur Neto (PSDB) usou a convenção municipal do DEM, realizada ontem, no auditório Belarmino Lins, na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALE-AM), que reforçou o apoio ao governador José Melo (PROS) nas próximas eleições, para disparar contra a presidente Dilma Rousseff (PT), pré-candidata do PT à reeleição.

Durante o evento, a vereadora Therezinha Ruiz assumiu a presidência municipal da legenda, que tem cerca de 11 mil filiados no Estado, sendo 5,3 mil em Manaus. A convenção contou com a presença do ex-governador e candidato ao Senado, Omar Aziz; do presidente regional do DEM e deputado federal, Pauderney Avelino; além dos deputados federais Silas Câmara (PSC) e Carlos Souza (PSD); e os vereadores Wilker Barreto (PHS), Professora Jacqueline e Professor Samuel.

“Paciência a gente tem até um certo ponto, e depois a gente não tem mais, a minha, por exemplo, literalmente já esgotou. Eu preciso dizer com clareza quem ajuda Manaus e quem não ajuda. E quem não ajuda Manaus é contra Manaus. Eu tenho o dever de defender a minha cidade como se eu fosse uma onça parida defendendo seus filhotes. E é exatamente assim que vai ser”, declarou Artur durante o seu discurso.

Em fevereiro, durante visita a Manaus, a presidente Dilma prometeu liberar R$ 419,6 milhões para o Amazonas para corredores viários, sendo R$ 125 milhões destinados à prefeitura de Manaus e R$ 294,5 milhões repassados ao Governo do Estado. Artur também pleiteou junto à presidente a liberação de mais R$ 235 milhões para obras de infraestrutura do PAC Cidades.

No mês passado, o prefeito, em companhia do líder do Governo no Senado, Eduardo Braga (PMDB-AM), esteve com o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, para viabilizar a liberação dos recursos.

No dia 15, na abertura da 17ª Marcha em Defesa dos Municípios, da qual Dilma não participou, Artur Neto declarou ter se cansado das promessas do Palácio do Planalto, disse que, se até o dia 19, o recurso não fosse repassado iria agradecer a presidente e tocar as obras com recursos próprios. O tom da fala do prefeito arrefeceu, na segunda-feira. Durante a assinatura de convênio com o Governo do Estado, no valor de R$ 110 milhões, para obras de infraestrutura, disse que estava recuando.

“Contei sempre com o apoio do governador Omar Aziz, e agora com o apoio do governador José Melo, que entra com R$ 110 milhões, e eu não entendo por que não vêm os recursos do Governo Federal. É por que eu sou de outro partido? Por que eu não sou mais feio do que um monte de gente que está do lado da presidenta. Eu não sou nenhum galã de cinema, mas sou muito mais bonitinho do que muita gente que está lá ao lado dela. Eu não consigo entender”, reclamou o prefeito.

Artur Neto afirmou que “vê a exaustão do povo brasileiro com este Governo (Federal)”, em referência à Pesquisa Ibope divulgada na quinta-feira mostrando que 30% dos entrevistados gostariam que o próximo presidente mudasse totalmente o governo do País. Segundo a pesquisa, entre os que manifestaram desejo por mudança, 67% querem alterações com outro presidente no lugar de Dilma Rousseff.

“O dinheiro não pertence a mim, não pertence ao governador Omar (Aziz), não pertence ao governador (José) Melo, não pertence à presidente Dilma (Rousseff), o dinheiro pertence ao povo brasileiro. O dinheiro é público e tem que ser aplicado em obras públicas, sem se olhar interesses eleitorais, ou de que lado se está”, lembrou.

Questionado se o anúncio de apoio do governador José Melo à reeleição da presidente Dilma Rousseff poderá influenciar posição na eleição pelo Governo do Estado, Artur Neto deu uma dica: “Quem quiser me ver no ringue de verdade vai ter que apoiar o Aécio Neves”, disse.

Candidatura é descartada

O ex-governador e pré-candidato ao Senado, Omar Aziz (PSD), ao ser perguntado se sua esposa, Nejmi Aziz, seria candidata a vice na chapa de José Melo (PROS), disse não saber por que insistem tanto na candidatura da ex primeira-dama. “Eu não sei da onde que vocês tiram isso. O presidente do PSD sou eu, e ninguém estuda se a minha esposa vai ser candidata ou não. Isso é uma discussão que eu tenho que ter com ela, os membros do PSD não mandam no relacionamento que eu tenho com a minha mulher, nem ninguém”, afirmou.

Para Omar, enquanto as alianças estão sendo formadas, o quanto menos se falar, melhor. “Agora relacionado a vice, relacionado a quem será candidato a deputado federal ou estadual, e quais serão os partidos a fazer coligações, isso a gente não tem que estar espalhando, porque quanto mais a gente fala, menos positivo são as alianças que nós estamos tentando formar”, disse.

No dia 16, em evento realizado no auditório da sede da Federação de Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam), onde ganhou a adesão do PSD, de Omar Aziz, e do DEM, do deputado federal Pauderney Avelino, à sua candidatura, o governador José Melo, ao ser questionado sobre o assunto, disse: “quem não quer a Nejmi como vice?”. A ex-primeira dama não participou do evento na Fieam e nem no do DEM.

Vereadora assume a presidência

Durante a convenção municipal do Democratas (DEM), a vereadora Therezinha Ruiz, assumiu a presidência municipal do partido. E declarou que irá lutar por uma maior participação das mulheres na vida política.

“São poucas mulheres na política e nós temos massificado muito esta bandeira, que há, sim, espaço para elas. E eu procuro sempre investir naquilo que acredito, e é por isso que eu vou lutar: que as mulheres se filiem ao partido, e tenham propostas que atendam as necessidades da população”, disse a vereadora.

A parlamentar afirmou que o novo cargo é um desafio. “Ocupar um cargo deste é sempre uma grande responsabilidade e como estou na política há muito tempo quero incentivar outras mulheres, e outros segmentos da sociedade para mostrar que a política não tem apenas lados ruins, tem também muitos lados bons”, disse.