Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

CPI da Pedofilia da Assembleia Legislativa decide nesta quinta-feira (10) quem será investigado

Comissão Parlamentar de Inquérito realiza primeiro trabalho após reunião tumultuada onde foram escolhidos os cinco membros titulares e os quatro membros suplentes

Movimentos de Mulheres deram continuidade nesta quarta (9) à mobilização em frente à ALE-AM cobrando a instalação da CPI

Movimentos de Mulheres deram continuidade nesta quarta (9) à mobilização em frente à ALE-AM cobrando a instalação da CPI (Divulgação/Facebook/Francy Junior)

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia da Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM) se reúne nesta quinta (10) para definir qual será a abrangência das investigações dos crimes de exploração sexual de crianças e adolescentes. A informação foi dada pelo presidente da CPI, deputado Abdala Fraxe (PTN), nesta quarta (9).

Abdala adiantou que irá sugerir que a CPI não fique limitada aos casos de pedofilia no município de Coari, mas que investigue denúncias em todo o Amazonas. “Vamos começar a definir todo o cronograma. E queremos que seja investigado o Amazonas inteiro, e as investigações não serão ‘fulanizadas’, respondeu o parlamentar.

“Ela (a CPI) tem que ser feita levando em consideração toda a base territorial do Amazonas, independe de quem seja, ou o que faça ou aonde trabalhe”, disse Fraxe, após ser questionado se a CPI irá investigar o envolvimento do deputado Fausto Souza (PSD), um dos 20 réus acusados de exploração sexual de crianças e adolescentes em Manaus em ação penal que tramita no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM).

Abdala afirmou que durante os trabalhos da comissão não irá permitir pirotecnia eleitoral. “Eu vou deixar aqui uma síntese do que será o nosso trabalho: pirotecnia zero. Trabalho técnico, 100%. É só isso que vai acontecer. Quem tiver que ser investigado, vai ser investigado. Mas pirotecnia eleitoral não vai existir, pelo menos não autorizada. O trabalho será técnico, sensato e dentro do bom senso”, afirmou.

Membros da CPI

A escolha dos membros foi anunciada pelo presidente da ALE-AM, Josué Neto (PSD), em plenário, na tarde de quarta, após reunião tumultuada a portas fechadas na sala da presidência da Casa, que iniciou com a participação de 19 deputados estaduais, e encerrou com a presença de apenas 12 parlamentares.

O deputado Orlando Cidade (PTN) foi escolhido como relator; Ricardo Nicolau (PSD) foi indicado pelo PMDB e o PSD; Conceição Sampaio (PP), representa a bancada feminina; e Luiz Castro (PPS), em nome da minoria. Os quatro suplentes são: David Almeida (PSD), Tony Medeiros (PSL), José Ricardo (PT) e Vera Castelo Branco (PTB).

Movimento vigilante

Francy Junior, representante do Fórum Permanente das Mulheres de Manaus (FPMM), avaliou como vitoriosa a escolha dos membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia, anunciada quarta (9) no plenário da Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM).

“Nós nos reunimos e avaliamos como vitoriosa a atuação dos movimentos sociais em prol da instalação da CPI da Pedofilia e a escolha dos membros, pois sugerimos três nomes (Luiz Castro, Conceição Sampaio e José Ricardo) e dois ficaram como membros titulares, e um como membro suplente”, declarou Francy.

A representante do Fórum Permanente das Mulheres declarou que, agora, os militantes de movimentos feministas irão monitorar o trabalho dos membros da CPI, e caso aja necessidade voltarão a protestar na Assembleia em defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes do Amazonas.

“Vamos ficar monitorando, por enquanto vamos deixar que os deputados trabalhem. Mas na hora que for preciso a nossa presença, a nossa voz, o nosso grito, estaremos lá”, prometeu a militante. No dia 1º deste mês, o movimento de Mulheres fez um protesto dentro da ALE cobrando a criação da CPI.

Personagem

Deputado estadual e autor do pedido da CPI da Pedolifia

O deputado Luiz Castro (PPS), autor do pedido de instauração da CPI da Pedofilia, contestou o fato de não ter sido escolhido como presidente da comissão. “Eu sou apenas um membro desta comissão, mas espero que tenhamos muita firmeza e tranqüilidade”, disse o parlamentar.

“Temos que estabelecer um calendário, uma metodologia. Eu, como autor do pedido pela instauração da CPI, gostaria de ser, ou o presidente ou o relator. E em apenas 10% dos casos de formação de CPI o proponente não é escolhido como presidente, e nesta quase eu nem podia ser membro”, disse.

O parlamentar atribuiu sua entrada na CPI da Pedofilia ao constante apoio dos militantes de movimentos feministas que cobraram do Poder Legislativo a escolha de membros que tivessem empatia com os trabalhos contra a exploração sexual de crianças e adolescentes no Estado.

“Temos vários focos para esta CPI e um deles é garantir que um dos principais envolvidos em crimes de pedofilia, o prefeito Adail Pinheiro, não saia da cadeia até o momento do seu julgamento”, afirmou Luiz Castro.