Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Câmara dos Deputados aprova PNE que destina 10% do PIB brasileiro para educação

O PNE define 20 metas para os próximos dez anos em relação à educação no Brasil, entre elas estão a erradicação do analfabetismo e a valorização da carreira docente

A ideia do governo federal com a aprovação do PNE é melhorar os indicadores da educação brasileira na próxima década

A ideia do governo federal com a aprovação do PNE é melhorar os indicadores da educação brasileira na próxima década (Antonio Menezes)

O Plenário da Câmara dos Deputados concluiu a votação dos destaques ao Plano Nacional de Educação (PNE - PL 8035/10), aprovando 10% do Produto Interno Bruto (PIB) para a educação. O projeto será enviado à sanção presidencial.

O PNE define 20 metas para os próximos dez anos em relação à educação no Brasil, determinando que, ao fim desses dez anos, sejam aplicados em educação 10% do Produto Interno Bruto (PIB). Entre as diretrizes, estão a erradicação do analfabetismo, a valorização da carreira docente e o aumento de vagas no ensino superior, na educação técnica e na pós-graduação.

O texto-base do projeto foi aprovado no último dia 28 de maio, segundo o parecer do relator, deputado Angelo Vanhoni (PT-PR), para o substitutivo do Senado.

O plano ainda prevê que gastos com creches conveniadas e programas como o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e Programa Universidade para Todos (Prouni) entrem na conta. 

Votação

O último destaque foi rejeitado após perder o apoio de seu autor, deputado Gastão Vieira (PMDB-MA). Ele pretendia excluir do projeto a obrigatoriedade de a União complementar recursos insuficientes de estados e municípios para cumprir o Custo Aluno Qualidade (CAQ). Gastão Vieira desistiu do destaque após apelo do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves.

Segundo Vieira, o CAQ define que, se uma escola tiver determinados insumos, ela será uma boa escola, mas não há previsão de recursos para essa finalidade. “Ao contrário do Fundeb, com esse mecanismo, qualquer estado poderá questionar juridicamente a União para que ela pague o valor projetado por esse índice”, afirmou o deputado. Para ele, esses conceitos precisam ser melhor definidos.

Os conceitos de Custo Aluno Qualidade inicial (CAQi) e CAQ deverão traduzir um conjunto de padrões mínimos de qualidade do ensino estabelecidos na legislação educacional. A ideia é que o financiamento seja calculado com base no atendimento desses padrões.