Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Deputado Marcelo Ramos pede à PF para apurar boicote a seu programa eleitoral

Vídeo com depoimento da presidenciável Marina Silva, que iria ao ar na última quarta (27), foi substituído sem explicação por parte do TRE; tribunal afirma que a falha foi do Sindicato de Radiodifusão

Deputado Marcelo Ramos afirma que a não substituição do vídeo causou-lhe prejuízo

Deputado Marcelo Ramos afirma que a não substituição do vídeo causou-lhe prejuízo (Érica Melo: 17/jul/2014)

A assessoria jurídica do deputado estadual Marcelo Ramos (PSB), candidato ao Governo do Amazonas, ingressou com uma representação junto a Polícia Federal (PF) para que o órgão investigue o motivo da não exibição da propaganda eleitoral gratuita substituída por outra do candidato e que iria ao ar na noite da última quarta-feira.

De acordo com Marcelo Ramos, no mesmo dia, às 14h30, foi protocolado no Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) um ofício informando que a peça publicitária do candidato que iria ao ar naquela noite, deveria ser substituída por outra, o que não ocorreu.

“Preparamos um programa que entraria ao ar logo após a entrevista da candidata a presidente Marina numa emissora de TV. O vídeo continha um belo depoimento dela (Marina) a favor da nossa candidatura. Protocolamos a tempo no TRE-AM, mas para nossa surpresa, o tribunal inexplicavelmente repetiu o programa da manhã, nos causando um prejuízo irreparável”, disse Ramos. Além da investigação solicitada a PF, a assessoria jurídica de Ramos espera que o Tribunal avalie a possibilidades de reparos e danos a campanha do pessebista.

O TRE-AM informou que a responsabilidade pela veiculação da propaganda política no rádio e na televisão no âmbito do Estado do Amazonas é do Sindicato das empresas de Radiodifusão do Estado do Amazonas (Sinderpam) e não do tribunal. Na audiência do processo, ontem, o presidente do Sinderpam afirmou já ter tomado as providências de modo a evitar que novos problemas possam ocorrer.