Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Diamond Residence Tower é inaugurado na rua Fortaleza, Zona Centro-Sul de Manaus

O prédio conta com 71 apartamentos, que são oferecidos em plantas de 155 e 200 metros quadrados, e duas coberturas, com 409 e 467 metros quadrados

Prédio tem 73 apartamentos e está localizado em uma área nobre da cidade

Prédio tem 73 apartamentos e está localizado em uma área nobre da cidade (Evandro Seixas)

Foi inaugurado na noite desta quinta-feira (29), o condomínio Diamond Residence Tower, localizado na rua Fortaleza, Zona Centro-Sul de Manaus. O empreendimento, assinado pela Cristal Engenharia, atende aos padrões de qualidade estabelecidos pela companhia, simbolizados pelo Selo Cristal de Qualidade, que foi conferido ao edifício.

O prédio conta com 71 apartamentos, que são oferecidos em plantas de 155 e 200 metros quadrados, e duas coberturas, com 409 e 467 metros quadrados. Os preços dos apartamentos que variam de R$ 1,3 milhão a R$ 4,8 milhões, mostram o anseio da construtora em estabelecer a elite manauara como público-alvo primordial.

“O empreendimento vai ao encontro ao nosso nicho de mercado. A Cristal atua no médio-alto e no alto padrão. Quando falamos desses públicos, é natural direcionarmos nossos esforços para locais na Ponta Negra, no Adrianópolis e na Vila Municipal e, em se tratando de Vila Municipal, esse endereço é extraordinário em termos de sinergia, próximo de tudo, e ainda vizinho do Empório Roma”, disse Jorge Roldão, diretor-presidente da construtora.

O projeto arquitetônico e a decoração do Diamond denotam isso: nada foi poupado para que os moradores tivessem uma morada ideal. Leila Barakat, que assina o projeto, fala do desafio e da inovação envolvidos nele. “Comecei a esse projeto com um arquiteto paulista chamado Itamar Berezin, que é um arquiteto muito arrojado. O toque dele, totalmente diferente do que Manaus costuma ver, era algo que eu e a Cristal queríamos trazer pra esse prédio. A fachada é única, queríamos que ela se destacasse na multidão”, comentou ela.

A aura artística era algo que também estava na mente da arquiteta ao desenvolver o interior. “Temos obras de cinco artistas plásticos espalhadas pela área comum, queríamos esse clima de galeria. Os móveis da área são todos assinados por designers conceituados. Queríamos que os moradores não sentissem a diferença entre estar em seus apartamentos e estar na área comum. O prédio em si não deve nada a prédios similares de São Paulo. Foi um desafio mas creio termos conseguido. Agora Manaus tem um prédio AAA, é o melhor da cidade”, explicou Leila.


Paisagismo

Roberto Moita, que assinou o projeto paisagístico, foi responsável por trazer ao Diamond as características do homem amazônico. “O projeto foi movido pela pergunta: o que é o morar contemporâneo na Amazônia? Para além disso, a inovação era algo que queríamos e a inovação tem a ver com ir além da expectativa. Então, fizemos a varanda ampla, estimulando o contato com o sol, o céu, a chuva, a paisagem da cidade. Fizemos uma área de lazer grande que valoriza a água, por isso a piscina semi-olímpica. A área comum é própria para grandes reuniões, que fazem o estilo dos manauaras”, comentou o paisagista.

Toda a preocupação tem dado certo. O prédio está com a maioria das unidades vendidas. “O edifício me atraiu muito pela localização. O bairro, a rua mesmo é próxima de tudo, eu gosto muito dessa região. Além disso, a marca Cristal foi um diferencial”, disse Fátima Souza, que morará no Diamond.

“O Diamond faz parte da conclusão de um ciclo para a empresa. Esse ciclo será completo com a entrega do Office, do lado do Manauara Shopping, que será um hotel e um prédio comercial. O próximo ciclo começou com o Ônix, um prédio de altíssimo padrão que terá pé-direito duplo na sala e ficará na Paraíba, quase na frente do DB. Com esse ciclo, esperamos fazer melhor o que já fazemos e continuar a falar diretamente com o público das classes A e B pois acreditamos ter achado a nossa vocação em empreendimentos desse porte”, conclui Jorge.