Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Dilma Rousseff se solidariza com jornalista criadora da campanha "Não mereço ser estuprada"

A jornalista recebeu ameaças de estupro após postar nas redes sociais uma foto em protesto contra a violência contra a mulher. A campanha ganhou grande adesão de pessoas

jornalista nana queiroz

Na conta no Twitter, Dilma Rousseff disse que “o governo e a lei” estão do lado da jornalista (Reprodução)

A presidente Dilma Rousseff solidarizou-se nesta segunda-feira (31) com a jornalista Nana Queiroz, que foi ameaçada na internet após iniciar a campanha “Não mereço ser estuprada”, um protesto virtual nas redes sociais contra a violência contra a mulher.

A iniciativa foi criada por Nana em resposta à pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), que foi divulgada na última semana e que mostrou que a maioria dos brasileiros concorda que o comportamento da mulher pode motivar o estupro.

“A jornalista Nana Queiroz se indignou com os dados da pesquisa do Ipea sobre o machismo na nossa sociedade. Por ter se manifestado nas redes contra a cultura de violência contra a mulher, a jornalista foi ameaçada de estupro. Nana Queiroz merece toda a minha solidariedade e respeito”, escreveu a presidenta em sua conta pessoal no Twitter.

Dilma disse ainda que “o governo e a lei” estão do lado da jornalista e de todas as mulheres ameaçadas ou vítimas de violência.

‘Não mereço ser estuprada’

Nana Queiroz postou uma mensagem no Facebook na sexta (28) com uma foto em frente ao Congresso Nacional, em que aparece sem camiseta e com a frase “Não mereço ser estuprada” escrita no corpo, convocando o protesto virtual. Várias mulheres publicaram fotos semelhantes, demonstrando indignação com a pesquisa.

Após a publicação, a jornalista foi ameaçada por internautas. “Amanheci de uma noite conturbada. Acreditei na pesquisa do Ipea e experimentei na pele sua fúria. Homens me escreveram ameaçando me estuprar se me encontrassem na rua, mulheres escreveram desejando que eu fosse estuprada”, relatou Nana em sua página na rede social.