Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Empresas do interior do AM exportaram mais de US$ 20 mi em 2013

Levantamento da Fieam apontou que exportações de madeira e minério foram as principais responsáveis pelo bom momento da economia interiorana no ano passado; para incentivar o bom momento, o órgão irá promover capacitações

A China é, de longe, o maior parceiro comercial do Amazonas, sendo a origem de 35% de todas as importações anuais do Estado

A China chegou a importar aproximadamente 900 toneladas do minério tantalum em 2013 (Divulgação)

Por meio da emissão de certificados de origem digital do Centro Internacional de Negócios do Amazonas (CIN-AM), três empresas do interior do Amazonas exportaram, em 2013, o equivalente a US$ 20.359.296 em produtos regionais. No total, as exportações - via CIN-AM - geraram um lucro de US$ 727.831.036 no ano passado. O CIN é ligado à Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam).

A madeira, da Ipa Indústria de Pisos da Amazônia Ltda, de Iranduba, e o mineral tantalum niobium, da Mineração Taboca S/A, de Presidente Figueiredo, foram os produtos mais exportados no âmbito das empresas interioranas. Parintins também aparece na lista com a exportação de guaraná em pó através do grupo empresarial, o Consórcio Saterê Mawé.

Principal importadora do tantalum, a China utiliza o minério na indústria automobilística e chegou a importar aproximadamente 900 toneladas desse material em 2013. Já os Estados Unidos são fiéis importadores das madeiras do tipo jatobá, ipê, sucupira e camaru. Os americanos compraram do Amazonas cerca de 300 mil m³ de madeira amazonense no ano anterior.

O gerente executivo do CIN-AM, Marcelo Lima, destacou a importância do incentivo à produção regional através do fomento das importações. “Isso faz com que as cooperativas exportadoras do interior intensifiquem mais a produção de materiais interessantes para os estrangeiros, como a castanha, o açaí, e o artesanato. No Brasil, muitos produtores estão retendo a produção, sobrando muito pouco para a exportação”, observou.

Além da madeira, do tantalum e do guaraná em pó, o Amazonas exportou, por intermédio do CIN-AM da Fieam, peixes ornamentais, Camu Camu Fruta (poupa), Balsamo de Copaíba, Óleos de essência, estanho e concentrado de estanho.

Capacitação

Para garantir melhor capacitação dos exportadores do Amazonas, o CIN-AM realiza no dia 19 e 27 de março, o curso em Certificação de Origem e Despacho Aduaneiro de Exportação, respectivamente. Os dois eventos terão carga horária de oito horas e serão realizados no Centro de Treinamento Instituto Euvaldo Lodi (IEL), na Avenida Joaquim Nabuco, Centro de Manaus.

Bacharel em Administração com habilitação em Comércio Exterior pela Faculdade Rio Grandense (FARGS) e pós-graduada em Gestão de Projetos pela Universidade Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), a professora Deise Quevedo Bastos será a instrutora do Curso de Despacho Aduaneiro de Exportação. A profissional tem mais de 18 anos de experiência na área como auditora e despachante aduaneira, atuando em empresas de pequeno, médio e grande porte.

Já o instrutor do Curso de Regime de Origem será o mestrando em Gestão do Conhecimento e TI, Ronnie Sá Pimentel. “Ele é especialista e graduado em Comércio Exterior e responsável pelo núcleo de Políticas Comerciais e Sistemas de Comércio Exterior da CNI (Confederação Nacional da Indústria). Com toda certeza levará um aprendizado conciso aos empresários e futuros empresários da exportação”, garantiu Marcelo Lima.

Para se inscrever nos cursos, interessados devem entrar em contato com os endereços de e-mail:  mayara.bezerra@fieam.org.br ou  tiago.albuquerque@fieam.org.br. Mais informações nos números  (92) 3186-6511  e  (92) 3631-0899 .

* Com informações do Centro Internacional de Negócios da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam).