Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Engenheiro encontrado depois de 12 dias perdido na mata em Apuí diz ter ganhado 'nova chance'

Durante esse período, ele se manteve hidratado e chegou a comer abelhas para sobreviver. Ele ficou desorientado ao sair de uma obra que supervisionava, entrou na mata e se perdeu

De acordo com o delegado titular do 71º Distrito Integrado de Polícia (DIP) em Apuí, Francisco Rocha, cinco policiais militares e quatro bombeiros participaram das buscas

De acordo com o delegado titular do 71º Distrito Integrado de Polícia (DIP) em Apuí, Francisco Rocha, cinco policiais militares e quatro bombeiros participaram das buscas (Divulgação/Corpo de Bombeiros do AM)

“Foi como se Deus tivesse me dado uma nova chance de viver”, disse ontem o engenheiro Gileno Vieira da Rocha, 65, quando percebeu a chance de sair da floresta onde passou 12 dias perdido. A chance veio, segundo ele, na figura de um ribeirinho que ele avistou quando, no meio de suas andanças na mata fechada, ele chegou na margem do rio Sucunduri.

Durante esse período, ele se manteve hidratado e chegou a comer abelhas para sobreviver. Perguntado se suas atitudes eram parte de algum tipo de técnica especial que ele conhecia, ele respondeu: “Não, não era técnica nem nada, era só a pura sobrevivência”.

Gileno se perdeu nas proximidades da comunidade de Sucunduri, dentro da área do município de Apuí, a 408 quilômetros de Manaus.  “Eu fui àquela comunidade no dia 5 de julho, pois estava encarregado de supervisionar uma obra lá”, contou.

O serviço, no entanto, não chegou a ser concluído. “Na obra, eu estava sozinho, não tinha nenhum conhecido meu me acompanhando. Lá, eu acabei tendo um desentendimento com uma família que se dizia responsável por umas terras da comunidade. Se eram donos, eu não sei. De verdade, eu nem sei o nome deles, e sou grato a Deus por não saber. Só sei que, depois da discussão, mesmo sem a obra ter começado, eu fiquei preocupado e senti que deveria sair daquele lugar”, desabafou o engenheiro.

No dia 7, ele pegou uma carona até o Km 103 da Rodovia Transamazônica (BR-230) para sair do local da obra e, quando desceu do veículo, ele, desorientado, se embrenhou na mata. Depois de um tempo, quando tentou voltar para a estrada, não achou o caminho.

Perdido, ele sobreviveu dentro da mata bebendo e comendo o que podia. Nesse ínterim, uma equipe especial, composta por agentes da Polícia Civil, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, se deslocou de Manaus para a localidade no afã de encontrá-lo. Seu irmão, Sérgio, também foi a Apuí para ajudar nas buscas.

Segundo Gileno, no seu 12º dia dentro da floresta, ele chegou à margem do rio Sucunduri e conseguiu pedir socorro a um ribeirinho que estava por perto. O ribeirinho, então, chamou as equipes de busca.

Depois de ser atendido em um hospital de Apuí na terça-feira (19), dia em que foi encontrado, o engenheiro retornou a Manaus na quarta-feira (20), quando pôde reencontrar seus familiares. Ele já está em sua residência, passa bem, e espera aproveitar a “nova chance” que lhe foi dada.