Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Governo diz que risco de racionamento no Brasil é seis vezes menor que em 2001

Ministério de Minas e Energia descarta deficiências no abastecimento de hidrelétricas e garante que o país tem reservas de energia para enfrentar o período mais seco

Sistema Cantareira, que ajuda abastece principalmente o Sudeste do país, enfrentou uma seca histórica justamente no período que deveria ser das chuvas

Sistema Cantareira, que ajuda abastece principalmente o Sudeste do país, enfrentou uma seca histórica justamente no período que deveria ser das chuvas (Reprodução/Internet)

O Ministério de Minas e Energia rebateu nesta terça-feira analistas e consultorias que já apontam para a necessidade de racionamento de energia no Brasil, ao estimar que o risco de um déficit de energia no país em 2014 é seis vezes menor do que na época do racionamento de 2001.

"A diferença de um período para o outro é da água para o vinho... É uma diferença de mais de seis vezes em maio de 2001", disse o secretário-executivo da pasta, Márcio Zimmermann, durante o evento Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico (Enase).

Ele antecipou informações que serão apresentadas na reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) que ocorre em Brasília, na quarta-feira.

Segundo Zimmermann, o governo federal não vê necessidade de racionamento de energia elétrica neste e no próximo ano, conforme sinalizam os dados fechados ao final do período úmido, terminado em abril. Ele acrescentou a jornalistas que o governo federal também não vê necessidade de aplicar medidas de racionalização do consumo de energia.

No mesmo evento, porém, o diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Hermes Chipp, disse que o modelo matemático de projeções do setor elétrico brasileiro indica um risco de déficit de energia da ordem de 5 por cento em 2014.

Apesar disso, Chipp disse que a operação do sistema está sob controle e que o ONS não indicará na reunião do CMSE necessidade de nenhuma medida.

O presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, por sua vez, afirmou que o governo federal "não vai pestanejar" caso seja necessário racionalização ou racionamento de energia. Mas ele também considera que não é o momento de tomar qualquer medida.

O governo federal ainda considera que o racionamento ou a racionalização de energia não são necessários mesmo depois de terminado o período úmido, quando os reservatórios das hidrelétricas do país têm que ser abastecidos para assegurar o fornecimento de energia no restante do ano.

A estação chuvosa 2013/2014 terminou em abril e foi extremamente seca pelo segundo ano consecutivo, o que ajudou a elevar o preço de energia de curto prazo pelo forte acionamento de termelétricas e tem causado preocupações entre agentes do setor.

Os reservatórios das principais hidrelétricas do país, na região Sudeste/Centro-Oeste, estão com um nível de armazenamento de água atual em cerca de 38,7 por cento, ante perto de 32,2 no fim de abril de 2001, ano do racionamento de energia.

As estimativas do ONS são que os reservatórios da região Sudeste caíam a 18,5 por cento em novembro, ante de começar o próximo período úmido. Já os do Nordeste devem recuar a 14,7 por cento. As estimativas consideram que as chuvas de junho a novembro devam representar 78 por cento da média histórica.

Em 10 de abril, antes do fim do período úmido, uma das principais consultorias dos setor elétrico do país, a PSR, considerou que um racionamento de 8 por cento da demanda de energia seria o cenário recomendável caso a previsão do ONS na época sobre chuvas para até o fim do mês passado ocorresse.

Aumento da energia térmica

O baixo nível dos reservatórios, aliado ao aumento do consumo de energia, tem exigido o forte acionamento de termelétricas para garantir o abastecimento de eletricidade no Brasil.

Tolmasquim, da EPE, disse que a previsão de energia térmica a gás natural e a carvão na matriz elétrica do país subiu para 7.500 megawatts (MW), ante 1.500 MW previstos anteriormente. A expansão é prevista dentro do Plano Decenal de Expansão de Energia Elétrica (PDE) até 2018.

Ele afirmou ainda que poderá haver a antecipação do leilão da hidrelétrica Jatobá, no rio Tapajós, de 2016 para 2015. "Os estudos estão bem adiantados e o leilão pode ser antecipado", disse durante palestra.

Jatobá, que teria capacidade de 2.338 MW, é uma das duas usinas previstas para aproveitamento do rio Tapajós.

*Com reportagem adicional de Anna Flávia Rochas.