Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Greve na Suframa aguarda decisão do Ministério do Planejamento para terminar

Em assembleia realizada nesta segunda (31), o sindicato dos trabalhadores do órgão decidiu aceitar as propostas do governo federal, dando fim a uma paralisação que já custou mais de R$ 300 milhões à autarquia

Servidores votam pelo fim da greve durante a assembleia

Servidores votam pelo fim da greve durante a assembleia (Sindframa/Facebook)

Após 42 dias de uma paralisação que afetou profundamente a indústria e o comércio amazonenses, a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) pode retomar as atividades nesta semana. Uma assembleia do sindicato dos servidores da autarquia, realizada nesta segunda-feira (31), decidiu aceitar a nova proposta do governo federal, e agora aguarda apenas a chancela do Ministério do Planejamento para encerrar a greve.

Segundo o diretor do Sindicato dos Servidores da Suframa (Sindframa), Sidnei Nunes, houve uma proposta de orçamento e outra de criação de um plano de cargos e salários, o que satisfez as reivindicações dos grevistas. “A categoria teve o compromisso do Governo Federal de implementar o plano, além de promover reformas na estrutura dos prédios administrativos da Suframa”. Como a decisão sobre o orçamento cabe ao Ministério do Planejamento, é dele que depende a assinatura que pode pôr fim à greve. “Se o MP assinar essa proposta de orçamento amanhã (1º), nós já voltamos a trabalhar normalmente na quarta”, explicou Nunes.

Ao todo, a greve da Suframa provocou a paralisação de 70% das atividades da autarquia durante o período, o que afetou sobretudo a vistoria e entrada de mercadorias, prejudicando também o comércio no Estado. O prejuízo estimado para o órgão passa dos 300 milhões de reais. A paralisação foi provocada por servidores de carreira, que pediam a criação do plano de cargos, a reforma dos espaços físicos e a promoção de cursos e atividades de qualificação.

Além da greve, a Suframa também enfrentou, nesta semana, o término do contrato de servidores terceirizados da Fucapi, que prestavam serviços de apoio. Por causa disso, nesta segunda o site da autarquia passou o dia fora do ar, e outros serviços em rede, como os trâmites das mercadorias e o posto de fiscalização do Aeroporto Eduardo Gomes, também ficaram paralisados, causando mais prejuízos. A diretoria da Suframa passou o dia negociando um acordo com a Fucapi para a retomada dos serviços.