Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Hissa Abrahão critica postura do prefeito Artur: ‘Fui demitido publicamente’

Vinte e quatro horas depois de saber que deve deixar, até o dia 16, o cargo de titular da Seminf, Hissa manda mensagem

Hissa Abrahão

Vice-prefeito e secretário de Infraestrutura Hissa Abrahão (PPS) criticou a forma como o prefeito Artur Neto o demitiu (Márcio Silva - 22/nov/2013)

O vice-prefeito Hissa Abrahão (PPS) reclamou, nesta sexta (13), de ter sido retirado do comando da Secretaria de Infraestrutura (Seminf) pelo prefeito Artur Neto (PSDB) em um entrevista de rádio, sem sequer ser comunicado pelo tucano. “Fui demitido publicamente sem ele (Artur) sequer ter falado comigo”, escreveu o vice-prefeito, em mensagem de celular enviada, pela manhã, à imprensa.

Em entrevistas a emissoras de rádio, na quinta-feira, Artur Neto afirmou que Hissa não terá o apoio dele e nem do PSDB se insistir em se candidatar ao Governo do Amazonas em 2014. No mesmo dia, a Secretaria Municipal de Comunicação (Semcom) publicou nota informando que por decisão do prefeito, o vice-prefeito estará fora da secretaria a partir de segunda-feira. O vice-prefeito é o nome da direção nacional do PPS para a disputa do Governo do Amazonas no próximo ano.

Na mensagem encaminhada a telefones celulares de jornalistas, Hissa disse que a candidatura dele em 2014 nunca esteve definida e que Artur sempre soube disso. “Não tem nada decidido sobre candidatura em 2014, o quadro está indefinido, o prefeito foi informado há meses, assim mesmo, fui demitido publicamente”, escreveu o vice-prefeito.

Durante as entrevistas para emissoras de rádio, na quinta-feira, Artur falou da sua insatisfação com a insistência de Hissa em se lançar candidato ao governo ano que vem. “Fomos eleitos (ele e Hissa) para administrar Manaus. O único que teria condições de disputar e ganhar o governo sou eu. E eu não serei candidato”, declarou o prefeito. E acrescentou que a candidatura do vice-prefeito não é natural: “É uma candidatura fruto ainda da imaturidade dele e eu imagino que precipitada”.

A CRÍTICA tentou falar com o vice -prefeito ontem e, pelo segundo dia, ele evitou a imprensa. Apenas enviou a mensagem que se constitui na primeira declaração dele pós-anúncio da demissão.

Por meio da assessoria de imprensa, Hissa informou que só falará com a imprensa quando o ato da exoneração dele for publicado no Diário Oficial do Município (DOM). Até a publicação, o vice-prefeito disse, por meio da assessoria, que permanecerá recluso, sem ir à prefeitura ou à Seminf.

O secretário de Comunicação da Prefeitura, que passa a ocupar o cargo de secretário de Governo, jornalista Márcio Noronha, informou que o prefeito Artur Neto retornaria da viagem a Brasília ontem por volta das 19h.

Além da saída de Hissa da Seminf, Artur Neto anunciou outras mudanças na cúpula de sua administração. E justificou que a medida atingiria também secretários que irão disputar as eleições de 2014.

O deputado federal licenciado Pauderney Avelino (DEM) deixa o comando da Secretaria Municipal de Educação (Semed) e reassume o mandato em busca da reeleição. No lugar dele assume o hoje secretário de Governo de Artur, Humberto Michiles (PSDB). Na vaga de  Noronha na Semcom assumirá a jornalista Mônica Santaella.

Artur volta mais cedo e Frota vê precipitação
O prefeito Artur Neto antecipou o retorno para Manaus, que estava previsto somente para este sábado (14). Segundo a subsecretária de Comunicação, Mônica Santaella, o prefeito voltaria de Brasília ontem à noite.

Mônica Santaella informou que o prefeito tem agenda hoje, pela manhã, no Centro de Manaus. Artur deve participar de uma atividade do projeto Viva Centro, na rua Lobo D’Almada.

Segundo a subsecretária de Comunicação, durante a ausência de Artur, o vice-prefeito Hissã Abrahão foi quem assumiu a prefeitura. De acordo com Santaella, Hissa ficou no cargo de prefeito em exercício da tarde de quinta-feira até à tarde de ontem. “Ele deu expediente. Hoje (ontem) estava na Seminf”, disse a subsecretária.

A reportagem ligou para a Seminf, ontem à tarde, por volta das 14h30. Segundo servidores da secretaria, apenas o subsecretário de Infraestrutura, Orlando Holanda, tinha aparecido no prédio. Segundo a Semcom, com a saída de Hissa, Holanda assumirá o cargo temporariamente.

‘Ele foi pai’
O vereador Mário Frota (PSDB), que não se entendeu como vice-prefeito de Serafim Corrêa (PSB) - de 2004 a 2008 -, disse, ontem, que Hissa Abrahão foi tratado como um filho por Artur. E que o vice-prefeito se precipitou em falar de candidatura em 2014 antes do prefeito.

“O Artur tratou o Hissa com a maior consideração. Muito mais que um irmão mais velho. Foi um pai. De repente, o Hissa se lançou candidato. Foi uma coisa abrupta. Eu mesmo não sabia. De repente, ele entrou na Câmara, reuni-se com os repórteres e se lançou candidato. Na minha opinião, de forma prematura”, disse o vereador tucano.

Mário Frota afirmou que, diferente da experiência dele como vice de Serafim, até então, Hissa teve um papel de destaque na administração de tucana. “O Artur foi um pai para o Hissa. Deu a melhor secretaria, com mais recurso, a que dar mais visibilidade. Nenhuma outra secretaria é igual à Seminf”, comentou o vereador.

O parlamentar disse que não faria o que Hissa fez. “Não faria o que ele fez se o meu titular tivesse feito por mim o que o Artur fez pelo Hissa. Estou triste com isso. Gostaria de ver os dois juntos até o final”, disse Mário Frota. “Minha dificuldade com o Serafim foi porque queria ser pelo menos ouvido. Ao contrário do que o Artur fez com o Hissa, eu fiquei isolado, no canto, sem cargo, sem secretaria”, completou o vereador.

O vereador do PSDB contou que conversou com Hissa, e tentou fazê-lo desistir de falar em eleição para o Governo do Estado antes de tratar do assunto com Artur Neto.

“Disse pra ele. Se você tem consideração por mim, silencie com relação a essa história de governo. Espera o Artur se manifestar. Política é paciência. É não colocar o carro na frente dos bois. Tenho um carinho por ele. Gosto muito dele. Mas politicamente, não sei o que aconteceu. Ele se prescipitou”, afirmou Mário Frota.