Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

José Melo lamenta afastamento de Amazonino Mendes: ‘Foi uma desinteligência’

Declaração do vice-governador foi feita nesta quinta (19), em cerimônia da Esmam, onde o ex-governador e outras 32 personalidades foram homenageadas

José Melo [Homenagem Amazonino]

Vice-governador José Melo ressaltou trajetória política de Amazonino Mendes (Imagens: Valdo Leão - Divulgação/Dicom - TJ-AM)

Durante cinco minutos de um discurso que durou oito minutos, o vice-governador José Melo (Pros) elogiou o ex-governador e ex-aliado político, Amazonino Mendes (PDT). As declarações de José Melo foram dadas nesta quinta (19) na solenidade de entrega da Medalha de Mérito Acadêmico da Escola de Magistratura (Esmam) do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), com a qual Amazonino foi um dos 33 homenageados.

Os elogios foram feitos um dia depois de Melo e Amazonino terem comparecido ao mesmo evento e não se cumprimentarem no Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM), e uma semana depois do vice-governador dizer que será candidato ao governo em 2014 com ou sem apoio.

“Queria prestar homenagem a um homem nascido no interior. Sua primeira formação foi do que a natureza nos dá: as aves, o Sol, a chuva, o peixe, tudo aquilo que faz do homem e da mulher do interior um ser humano diferente. O seu coração. Depois tem uma experiência como líder estudantil. Àquela altura, quando muitos se escondiam por trás das portas, ele tinha a coragem de subir no tamborete e defender aquilo que a modernidade nos diz hoje que é possível defender: a liberdade, os menos favorecidos”, declarou José Melo em discurso. E prosseguiu: “Depois, como homem público procurou sempre colocar acima dos interesses pessoais o interesse do povo”.

Para A CRÍTICA, José Melo disse que restabeleceu contato com Amazonino este ano e negou que a aproximação tenha como pano de fundo articulações para a campanha de 2014. “Eu não vejo nisso aí. Tinha, nesse momento de afastamento, muita saudade do Amazonino porque nós convivíamos muito. Isso (afastamento) foi uma desinteligência da minha parte”, disse. “Talvez até as minhas ambições tenham sido responsáveis por esse afastamento e que hoje, graças a Deus volta”, completou.

Melo desconversou quando questionado se já consultou Amazonino, que tem se apresentado como consultor para as próximas eleições. “Ele (Amazonino) é a fonte, onde todo aquele que quer um ensinamento no campo administrativo, no campo político tem que ir lá beber”, disse o vice-governador.

Na quinta-feira passada, o vice-governador afirmou que o apoio do governador Omar Aziz (PSD) à pré-candidatura dele é importante, mas que a eventual falta deste apoio não o fará desistir da disputa em 2014. “Não vou deixar de querer minha candidatura se aqui ou acolá não tiver um determinado apoio. Queira Deus que não seja o do Omar. Porque assim, vou perder o restinho dos meus cabelos brancos na campanha”, afirmou José Melo.

Na ocasião, Melo afirmou que está trabalhando para construir seu projeto de ser candidato. E tem incluído nessa tarefa conversas com nomes como Amazonino Mendes, Alfredo Nascimento (PR) e o prefeito Artur Neto (PSDB).

Amazonino diz não haver contradição
Ao relembrar as críticas que fez ao Judiciário do Amazonas, Amazonino (foto) afirmou, no evento, que o recebimento da medalha não é uma contradição.

“Todo homem público tem que tecer críticas e elogios. E tem que fazê-lo em cumprimento do seu dever cívico, político. O político que não tece críticas ou ele é um incompetente, um cego intelectual, ou é um farsante moral. As coisas não são perfeitas, pelo contrário, sobretudo num país como o nosso. Nos ressentimos, e muito, do aparelhamento administrativo geral, seja na área do Executivo, do Judiciário e isso é extensivo também ao Legislativo”, disse o ex-governador.

‘Ninguém merece mais a medalha’
O diretor da Esmam e chanceler do Mérito Acadêmico, desembargador Flávio Pascarelli, justificou a homenagem à Amazonino Mendes afirmando que o ex-governador foi fundamental à criação da Esmam, quando cedeu o prédio para o funcionamento da escola do Judiciário.

“Ninguém merece mais uma medalha, no que diz respeito à ensino nesse Estado, do que o governador Amazonino Mendes. O governador é responsável pela UEA”, afirmou Pascarelli.

O desembargador frisou que essa é a primeira homenagem feita pela escola em 16 anos. Segundo ele, a entrega da medalha representa o reconhecimento àqueles que contribuiram para o aperfeiçoamento da justiça no Amazonas. Pascarelli foi um dos primeiros coordenadores da Esmam.

Pascarelli faz resgate histórico
Entre os 33 homenageados com a Medalha do Mérito Acadêmico da Esmam estão magistrados, juristas, ex-procuradores do Estado e municipais, renomados advogados e figuras políticas. A medalha foi criada em 2012 e tem por objetivo laurear as personalidades que tenham prestado relevantes contribuições ao estudo, ao ensino do direito e à melhoria da jurisdição, contribuindo direta ou indiretamente com os serviços oferecidos pela escola.

No seu discurso, o diretor da Esmam desembargador Flávio Pascarelli fez um resgate histórico sobre o surgimento da escola, os desafios da implementação e dos esforços para melhorar a estrutura. “Os cursos começaram esporadicamente. Depois a escola foi esquecida”, disse o magistrado.

Pascarelli afirmou que anos depois da conquista da sede própria, a escola começou a ganhar prestígio e teve novamente uma queda nas atividades. “Depois voltamos a crescer sempre com o apoio efetivo dos presidentes do Tribunal. O desembargador disse que o atual prédio é reconhecido por ter uma das melhores instalações do país.

O diretor jurídico de A CRÍTICA Júlio Antônio Lopes (foto) foi um dos homenageados na cerimônia. “Foi uma grande honra receber essa homenagem por estar junto com todos esses ilustres professores, advogados, magistrados e pelo trabalho que a Esmam tem desenvolvido ao longo desses 16 anos”, frisou.

Júlio Lopes ministra a disciplina liberdade de imprensa na escola. “A Rede Calderaro de Comunicação tem convênio para que os nossos profissionais realizem cursos na Esmam. Já fizemos dois seminários sobre a relação entre a imprensa e o Judiciário. Publicamos, agora, o livro dos 25 anos da Constituição Federal em homenagem ao relator Bernardo Cabral, em parceria com a Escola da Magistratura”, disse o advogado.

Durante o discurso, Pascarelli também lembrou a contribuição de A CRÍTICA para a convocação da primeira turma, após a consolidação da Esmam, em 1997. Compuseram a mesa da solenidade, além de Pascarelli, o vice-governador José Melo (Pros), o prefeito Arthur Neto (PSDB), o presidente do TJ-AM, Ari Moutinho, o presidente da Ordem dos Advogados do Amazonas (OAB-AM), Alberto Simonetti, e o presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região, David Mello.