Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Justiça solta executivo suspeito de chefiar esquema de venda ilegal de ingressos para Copa do Mundo

O pedido de libertação de Raymond Whelan foi aceito pela desembargadora do TJ-RJ Marília Castro Neves Vieira. A polícia acredita que ele tenha ligação com o argelino Lamine Fofana, preso na semana passada

Whelan é CEO da Match, empresa tercerizada da FIFA que detém o monopólio de negociação de pacotes de hospedagem para a Copa do Mundo durante a realização do evento no país

Whelan é CEO da Match, empresa tercerizada da FIFA que detém o monopólio de negociação de pacotes de hospedagem para a Copa do Mundo durante a realização do evento no país (Reprodução)

O Plantão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro determinou na madrugada desta terça-feira (8) a soltura do diretor da empresa Match Hospitality, Raymond Whelan. O pedido de libertação de Whelan foi feito por seus advogados e aceito pela desembargadora do plantão, Marília Castro Neves Vieira.

O britânico Whelan é suspeito de chefiar esquema de venda ilegal de ingressos dos jogos da Copa do Mundo. Ele havia sido preso na segunda (7) pela Polícia Civil. A polícia acredita que ele tenha ligação com o argelino Lamine Fofana, preso na semana passada, junto com dez brasileiros, na Operação Jules Rimet.

O grupo é suspeito de revender ingressos por preço acima do impresso no bilhete, o que é proibido pelo Estatuto do Torcedor. Antes da prisão de Whelan, na tarde de segunda-feira, no hotel Copacabana Palace, a Match Hospitality, empresa que tem direitos exclusivos para a venda de pacotes de ingressos e hospitalidade (que inclui serviços como estacionamento, acesso a áreas especiais nos estádio) para a Copa 2014, havia informado que está colaborando com as investigações.

A Match Hospitality também informou ter cancelado os ingressos da empresa de Fofana, Atlanta Sportif, por quebra de contrato, já que ele teria revendido ingressos, e bloqueado os pacotes de outras três empresas, cujos ingressos foram encontrados nas mãos do argelino.