Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

MPF/AM denuncia investigador da Polícia Civil flagrado com 315 quilos de cocaína e armas

Policial civil e cúmplice foram flagrados no dia 18 de fevereiro atravessando a Ponte Rio Negro com armas e drogas em uma caminhonete

Delegado com nome de filósofo é detido transportando droga pela Ponte Rio Negro

Investigador com nome de filósofo é detido transportando droga pela Ponte Rio Negro (Divulgação)

O Ministério Público Federal no Amazonas (MPF/AM) denunciou um investigador da Polícia Civil e um microempresário que foram presos em flagrante transportando cerca de 315 quilos de cocaína na Ponte Rio Negro, que liga Manaus a Iranduba (município a 27 quilômetros da capital).

Além da droga, dividida em vários volumes transportados no banco traseiro e na carroceria da caminhonete utilizada pelos denunciados, foram encontradas no veículo uma pistola de uso exclusivo da polícia e uma submetralhadora, com munições.

A prisão e a apreensão da droga e das armas foram realizadas no dia 23 de fevereiro deste ano, quando o veículo em que trafegavam foi abordado na Ponte Rio Negro, em atividade de fiscalização policial.

Conforme descrito no auto de prisão e flagrante, ao ser abordado e orientado a sair do carro, o investigador da Polícia Civil se apresentou como policial e tentou sacar a arma que levava na cintura, com o objetivo de evitar a fiscalização.

Tríplice fronteira

Em depoimento, o microempresário revelou que foi procurado pelo policial civil para auxiliar no transporte da droga de Benjamin Constant (município localizado na tríplice fronteira Brasil-Colômbia-Peru, a 1.116 quilômetros da capital amazonense) para um sítio localizado na estrada que liga Manaus a Rio Preto da Eva (a 60 quilômetros da capital). Pelo serviço, foi oferecido a ele pagamento no valor de R$ 83 mil.

A cocaína foi recebida de um peruano, em 18 de fevereiro de 2014, quando os dois partiram de Benjamin Constant, em uma lancha. O microempresário disse, em depoimento à polícia, que ainda naquele município o policial se identificou como investigador para escapar da fiscalização existente na localidade.

Relatou ainda que ele utilizou ostensivamente equipamentos policiais, como colete à prova de balas, pistola e submetralhadora, em vários trechos da viagem.

O investigador da Polícia Civil e o microempresário foram denunciados pelos crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico, com previsão de aumento de pena por se tratar de tráfico internacional de drogas, com uso de armas de fogo, e ter envolvimento de policial.

As penas para cada crime variam de cinco a 15 anos e de três a dez anos, além de multa e do aumento previsto pela legislação.

*Com informações da assessoria