Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Comerciante próximos a Arena da Amazônia estão otimista

Estabelecimentos comerciais e de serviço do entorno da Arena da Amazônia aguardam com boa expectativa a Copa

Vizinhança da Arena está otimista

Vizinhança da Arena está otimista (Euzivaldo Queiroz)

Os estabelecimentos comerciais que ficam no entorno da Arena da Amazônia “Vivaldo Lima” estão liberados para funcionar, nos dias de jogos da Copa do Mundo. Entretanto, os comerciantes devem ficar atentos, pois há algumas restrições na realização das atividades, como fazer promoções usando marcas que não sejam as patrocinadoras do evento da Fifa - chamado “marketing de assalto”.

“Nenhum comerciante será impedido de realizar suas atividades, desde que não haja oportunismo. Haverá uma linha imaginária, que deve atingir cerca de dois quilômetros no entorno da Arena que será fiscalizada”, explicou o diretor-presidente da Manauscult, Bernardo Monteiro de Paula, lembrando que em fevereiro houve um seminário e os empresários foram advertidos disso.

Durante a semana, DINHEIRO conversou com os empresários das imediações do estádio. Apesar das restrições, a expectativa deles é boa, por isso realizaram investimentos (tanto em infraestrutura como em pessoal), pensando no retorno financeiro com os jogos da Copa.

A empresária Suzana Martins investiu R$ 2 milhões na construção do mini shopping “Arena Mall”, que abrigará oito lojas, entre drogaria, pizzaria, restaurante japonês, chopperia, sorveteria e hamburgueria. Apenas, a drogaria e o restaurante japonês estão funcionando, mas ela garante que no começo de junho todas estarão a pleno vapor. Localizada na avenida Pedro Teixeira, a construção do “Arena Mall” foi uma forma de valorizar o terreno da família que estava “abandonado”, entretanto a Copa serviu como estímulo extra.

Uma das churrascarias mais frequentadas do entorno da Arena da Amazônia é a “Picanha Mania”, onde a gerente Maria de Souza está preparando o lugar para oferecer atendimento diferenciado ao turista. Ela adiantou que os colaboradores estão aprendendo inglês e o cardápio será bilingue:português-inglês. Além disso, vai realizar uma pequena reforma no espaço gastronômico, com troca de piso e melhoria na iluminação, por exemplo.

O gerente da Dom Pizza, Adalberto Lemos, explica que, além das aulas de inglês, está pensando em informatizar o lugar, entretanto ainda é algo a ser pensado. “Não temos como fazer mais coisas, por falta de verbas, mas acredito que as aulas serão importantes”, avaliou.

Da mesma forma, a responsável pelo “Iure Lanches”, acredita as aulas de línguas ajudarão no contato com os visitantes e acrescenta, que deve fazer uma mini reforma no restaurante. “Como a gente não pode fazer algo melhor, vamos melhorar somente aqui na frente”, disse, acrescentando que as opções do cardápio não devem mudar em função dos jogos. “A gente não pensou em mudar nada”, disse.

Capacitação em idioma

Os permissionários que atuam na Praça de Alimentação “Mário Verçosa’, no bairro Dom Pedro, a poucos quilômetros da Arena da Amazônia estão também bastante animados com a possibilidade de virem a lucrar um pouco mais com a realização dos jogos da Copa em Manaus.

O espaço abria uma série de restaurantes e lanchonetes, cujos funcionários passarão por um processo de qualificação que inclui o aprendizado da lingua inglesa. O treinamento faz parte de programa de capacitação desenvolvido pela Prefeitura de Manaus, concessionária do espaço, com foco no atendimento de turistas no período da Copa do Mundo e pós-evento.

Jogos em Manaus

A Copa do Mundo de Futebol será aberta no dia 12 de junho. Em Manaus, uma das sedes do evento, serão realizados quatro jogos envolvendo seleções de expressão nesse esporte, como Portugal, Itália, Croácia e Inglaterra.

Destaque

A construção da Arena da Amazônia demandou pouco mais R$ 700 milhões, porém muito daquilo que se falou em termo de mobilidade urbana não saiu do papel.