Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Gilberto Kassab fala sobre a corrida política em entrevista

Presidente do PSD diz que sigla está focada em ajudar na reeleição de Dilma Roussef, mas estaduais podem escolher seus palanques

Gilberto Kassab

Gilberto Kassab (Jornal A Crítica )

O presidente nacional do PSD Gilberto Kassab passou por Manaus em uma visita relâmpago para homenagear “o governador mais bem avaliado do País” e concedeu entrevista no sábado de manhã à equipe de A CRÍTICA, na sede do PSD. A seguir, trechos da entrevista.

O PSD anunciou que está com Dilma nacionalmente nessa eleição, mas os Estados estão livres. Como funcionará isso?

No plano nacional, tivemos a oportunidade de concluir uma consulta a todos os diretórios estaduais, aos parlamentares e a ampla maioria e definimos pela candidatura da presidente Dilma à reeleição. Isso é um fato consumado. Agora, cada Estado vai definir o seu caminho. Nós temos um entendimento no partido, desde a fundação, que nós teríamos nessa eleição estadual ainda uma transição da fundação do partido.

E em São Paulo, o senhor vai ser candidato mesmo ou vai apoiar alguém?

A prioridade do partido é a minha candidatura a governador.

Lá na frente pode surgir uma aliança com o PMDB ou com o PSDB?

Tem pessoas do partido que defendem uma aliança com o PMDB, outras com o PSDB. Mas, a ala majoritária do partido quer uma candidatura própria, que seria a nossa. Mas, nós estamos dando liberdade para conversas com o PMDB, com o PSDB. Essas conversas vão acontecer.

Já que as executivas estaduais estão livres para coligar com partidos mais afins regionalmente, o senhor consegue ver uma maioria marchando com aliados do atual governo petista?

Todos os Estados têm um núcleo importante trabalhando para a reeleição da presidenta Dilma. Mesmo os Estados, como Goiás, onde o presidente do partido é secretário de governo do Marconi Pirillo, que é do PSDB e candidato à reeleição, e o Vilmar é candidato a senador. Então, é evidente que lá (em Goiás) o partido caminha majoritariamente com o PSDB, mas lá tem um núcleo importante trabalhando para a campanha de reeleição da presidenta Dilma.

Como o senhor encara as críticas de que o PSD é um partido fisiológico?

Essas críticas não existem mais. Já faz dois anos desde a fundação do partido, quando falavam que ia ser fisiológico para ocupar cargo no governo, mas o partido não ocupa nenhum cargo no governo.

Agora, com a presidente sendo reeleita, existe a expectativa do PSD ter um espaço maior dentro do governo?

Expectativa não. Nós vamos participar do governo, lógico. A democracia é essa, né? A democracia é o eleitor escolher o seu representante para governar. Democracia é o eleitor escolher os seus representantes para governar. Daí nós vamos ganhar a eleição juntos e vamos querer nosso espaço porque nós vamos querer a oportunidade de mostrar as nossas qualidades, os quadros.

Qual a projeção do PSD para as eleições deste ano?

A nossa ideia é ficar com 50 deputados federais, aproximadamente, e cinco senadores.

Perfil: Gilberto Kassab
Idade: 53 anos
Nome: Gilberto Kassab
Estudos: Engenharia e economia pela USP
Experiência: Em 1992, se elegeu vereador de São Paulo pelo antigo PL (atual PR). Foi deputado estadual e federal pelo extinto PFL (atual DEM). Em 2004, foi eleito vice-prefeito de São Paulo e em 2006 assumiu a prefeitura e em 2008 foi reeleito. Em 2011, fundou o PSD.