Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

IBGE do AM adere à paralisação nacional e inicia greve por valorização dos servidores e ‘democracia’ na gestão

A paralisação coincidirá com a divulgação dos resultados do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro semestre de 2014, previstos para serem apresentados sexta-feira (30), no Rio de Janeiro

IBGE do AM adere paralisação nacional

IBGE do AM adere paralisação nacional (Divulgação)

Cerca de 50 dos 124 Servidores do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) do Amazonas decidiram aderir à movimentação nacional nesta segunda feira (26), e deflagram greve por tempo indeterminado, junto com profissionais de outros dez Estados. A paralisação coincidirá com a divulgação dos resultados do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro semestre de 2014, previstos para serem apresentados sexta-feira (30), no Rio de Janeiro.

A pauta do movimento grevista foi aprovada pelo núcleo sindical do Amazonas, em assembleia realizada na última terça-feira (20). A manifestação, marcada para segunda-feira, vai envolver servidores efetivos e temporários e seguirá por tempo indeterminado.

Entre as principais reivindicações dos servidores locais estão a reversão de cortes orçamentários para o cumprimento do plano de trabalho do órgão , a realização de concursos públicos para a substituição de contratos temporários na elaboração das pesquisas contínuas e a equiparação salarial do IBGE às carreiras de outros órgãos de gestão, como o Banco Central (BC). Outra demanda, cobrada é a correção de salários e direitos trabalhistas para os servidores temporários.

De acordo com a coordenadora do núcleo do Sindicato dos Trabalhadores em Fundações Públicas Federais de Geografia e Estatísticas (ASSIBGE)no Amazonas, Erica Peres, a condição dos temporários é a mais precária. “Eles ganham em média 1,3 salários mínimos e fazem o mesmo serviço de um efetivo”, relatou.

A coordenadora disse ainda que, apenas com o início da greve, será possível afirmar quais atividades serão impactadas e que tipos de pesquisas podem sofrer eventuais atrasos na divulgação.

Greve nacional

De acordo com uma das diretoras da Associação de Servidores do IBGE, Ana Magni, a categoria reivindica aumento do orçamento do órgão, para atender às metas de planejamento, a contratação de 4 mil servidores e equiparação salarial a funcionários de outros órgãos, como o Banco Central e o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

“Temos milhares de vagas que precisam ser recompostas, aposentadorias crescentes, trabalho precário e temporário na ponta, que precisamos substituir, além de recomposição de salários condizentes com outros órgãos do Ministério do Planejamento”, disse ela.

Os servidores também cobram participação nas decisões de gestão e democracia interna. “Reivindicamos participar das decisões sobre o futuro da instituição, nos moldes de outros órgão que têm um congresso institucional que pensa, debate e escolhe seus dirigentes”. Segundo Ana, a ideia é escolher gestores que não fiquem “à mercê de intempéries políticas e econômicas”.

Apesar da paralisação, está mantida a divulgação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad Contínua), com dados nacionais sobre o mercado de trabalho.  A publicação, que substituirá a Pesquisa Mensal do Emprego (PME) –  e avalia seis regiões metropolitanas-, chegou a ser cancelada pelo órgão e depois retomada. “Juntamente com a sociedade, conseguimos manter essa publicação. A divulgação desses dados é uma questão de honra”, disse a diretora.

Sobre a divulgação do PIB, Ana Magni disse que não é possível prever o impacto sobre a publicação, que está em estágio avançado. “Não sabemos ainda a intensidade e o ritmo da greve”, .

Além do Amazonas, devem paralisar as atividades funcionários de Alagoas, do Amapá, Distrito Federal, da Paraíba, do Rio Grande do Norte, Paraná, Rio Grande do Sul, de São Paulo, Santa Catarina e unidades do Rio de Janeiro. Novas assembleias estão previstas ao longo desta semana.

Procurado pela Agência Brasil na última sexta-feira (23), o IBGE, que tem 5,7 mil funcionários em todo o país, disse que só comentaria a paralisação ao longo desta segunda-feira.

*Com informações da Agência Brasil