Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

MP investiga oficiais do Batalhão Ambiental suspeitos de corrupção e crime organizado

A denúncia foi encaminhada ao Ministério Público do Estado para apurar a facilitação de transporte de madeiras ilegais e a transferência ilegal de policiais militares que recusavam-se a fazer parte do esquema



Ministério Público do Estado do Amazonas

Denúncia de corrupção e crime organizado em Batalhão Ambiental foi encaminhada ao Ministério Público (Euzivaldo Queiroz)

O Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM) investiga desde o dia 26 de novembro deste ano a denúncia de corrupção e crime organizado envolvendo policiais instalados no Batalhão Ambiental da Polícia Militar que supostamente facilitariam o transporte de madeiras ilegais no Estado e ainda a transferência ilegal de militares que se recusavam a fazer parte do esquema.

Segundo a denúncia, os sargentos do Batalhão Ambiental Antonio Saraiva Cruz e José Nélio Trindade Caldas e o oficial da Polícia Militar do Amazonas à serviço da Secretaria de Segurança, coronel Raimundo Roosevelt da Conceição de Almeida Neves, são citados como os protagonistas dos crimes.

Eles são acusados de facilitar o transporte de madeira ilegal de um homem identificado como Altemiro Leão de Oliveira Filho, empresário do ramo madeireiro e que de acordo com a denúncia costuma transportar madeira de procedência ilegal e que teria se envolvido em episódios que culminaram na transferência de um tenente do Batalhão Ambiental.

Segundo relatos da denúncia em 2011, o tenente realizou uma abordagem e apreensão de um barco com madeira de propriedade de Altemiro Oliveira. Na ocasião o coronel Roosevelt compareceu ao local no carro do infrator privilegiando-se de seu posto de coronel coagiu o Tenente a fazer a liberação da carga apreendida, fato que não ocorreu, em virtude da postura firme do Tenente.

Na mesma semana do fato, devido à influência do coronel Rosoovelt, o Tenente Marcos Pires foi movimentado do Batalhão Ambiental.

Em abril de 2012, em outra ocorrência a denúncia fala do envolvimento do major policial militar Márcio Coelho de Lima que é casado com a irmã de Altemiro Oliveira, que durante a apreensão de um caminhão de madeira ilegal interferiu na ocorrência retirando da delegacia o motorista do caminhão antes que fossem lavrados os procedimentos devidos.

Segundo a denúncia encaminhada ao MPE, há relatos que os sargentos Antonio Cruz, José Caldas e Huxlan Mamede Lessa, receberam chips de telefone com os quais avisam Altemiro sobre os oficiais que estão nas fiscalizações para o transporte das madeiras.

A denúncia argumenta ainda que o atual quadro de PMs efetivos disponibilizados para o Batalhão Ambiental é de 51 policiais, número que não é suficiente para a atuação em todo o Estado, o que influenciaria as práticas criminosas.

A denúncia finaliza ressaltando que outros policiais militares do Batalhão Ambiental são ameaçados e confrontados a “jogar no time do Miro”, para não serem transferidos. 

PM irá se manifestar sobre o assunto

Nossa equipe de reportagem entrou em contato com a Assessoria de Comunicação da Polícia Militar do Amazonas que informou que os dados e respostas sobre o caso serão repassados nesta segunda-feira (30), em virtude de ser final de semana e se fazer necessário consultar vários departamentos.