Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Servidor público é espancado por PMs no município de Coari (AM)

O motivo da perseguição aos cidadãos seria a busca da Polícia por um ex-motorista do prefeito Adail Pinheiro (PRP), conhecido como “Canarana”, e que teria acusado, em vídeo publicado na internet, políticos e magistrados do Estado

Deputado Luiz Castro (PPS) alertou que busca de motorista de Adail Pinheiro teria motivado agressões a moradores

Deputado Luiz Castro (PPS) alertou que busca de motorista de Adail Pinheiro teria motivado agressões a moradores (Divulgação/Aleam)

O servidor público Andrei Alves da Costa esteve presente na sessão ordinária da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) desta quinta-feira (13), onde apresentou denúncia de que tinha sido detido e levado ao Comando da Polícia Militar no município de Coari (distante 370 quilômetros de Manaus), onde foi agredido e torturado por policiais, no dia 5 de março quando festejava o Carnaval.

Durante a sessão, o deputado estadual Luiz Castro (PPS) alertou que moradores do município de Coari sofreram agressões físicas dentro do Comando de Polícia Militar e que o motivo da perseguição aos cidadãos seria a busca da polícia por um ex-motorista do prefeito Adail Pinheiro (PRP), conhecido como “Canarana”, que teria acusado, em vídeo publicado na Internet, políticos e magistrados do Estado.

“Nós vivemos algo que envergonha qualquer cidadão de bem. Se pelo menos os 24 deputados desta Casa se dirigissem ao Ministério Público para cobrar o pedido de intervenção em Coari; se pelo menos os 24 deputados falassem que não aceitam mais essa ditadura que oprime, que bate, que tortura e que pratica pedofilia… Depois da eleição não vai mais dar tempo”, afirmou.

Andrei ficou ao lado do deputado na tribuna da Assembleia e disse que, na mesma delegacia, outras pessoas também foram espancadas, incluindo mulheres.

“Estava sentado no chão, já bastante ferido e quase desfalecendo quando o major, pisando fortemente no meu pé, empurrou com muita força e várias vezes minha cabeça contra a parede e disse com ar de deboche: 'levanta p...'”, descreveu Andrei sobre a agressão sofrida.

A assessoria da Polícia Militar do Amazonas se comprometeu a dar uma resposta à reportagem, porém até a publicação desta matéria, na tarde desta sexta-feira (13), nenhum esclarecimento havia sido encaminhado.