Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

TJAM aceita denúncia da 'Operação Estocolmo' por unanimidade

No inquérito impetrado pelo Ministério Público - onde o foco é uma rede de exploração sexual infanto-juvenil -, 19 pessoas aparecem como indiciadas. Entre elas, uma ocupa o cargo de deputado

Pessoas ligadas a uma rede de exploração sexual infanto-juvenil foram os alvos da Operação Estocolmo

Pessoas ligadas a uma rede de exploração sexual infanto-juvenil foram os alvos em novembro de 2012 da Operação Estocolmo (Márcio Silva )

O Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) aceitou a denúncia obtida por meio da "Operação Estocolmo", realizada pela Polícia Civil em novembro de 2012, e que foi encaminhada à justiça pelo Ministério Público. A "Estocolmo" descobriu uma rede de exploração sexual infanto-juvenil, que envolvia políticos e empresários do Estado. A decisão ocorreu na manhã desta terça-feira (28), por unanimidade.

Os trabalhos da "Estocolmo" foram encabeçados pela Delegacia Especializada de Assistência e Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), comandada pela delegada Linda Gláucia. Na ocasião, foram cumpridos 46 mandados de busca e apreensão – nas casas das vítimas, dos agenciadores e dos empresários –, e outros oito de prisão.

Celulares, mídias digitais e fitas VHS foram alguns dos materiais apreendidos e enviados à perícia técnica na ocasião.

No inquérito impetrado pelo Ministério Público, 19 pessoas aparecem como indiciadas. Nenhuma delas, porém, teve o nome revelado, apesar de que, entre as quais, uma ocupa o cargo de deputado.

Ações

Um total de 30 adolescentes, com idades entre 13 e 17 anos, foram identificadas durante as investigações que resultaram na "Operação Estocolmo". As mesmas, conforme as explicações do então delegado geral, Josué Rocha, eram aliciadas e agenciadas. Entre os clientes, estariam empresários de Manaus.

Por correr em segredo de Justiça, a maior parte das informações sobre a operação não são conhecidos. Os trabalhos iniciaram em maio de 2012, a partir das denúncias da parente de uma das adolescentes de 13 anos, que percebeu a menina chegando em casa com objetos caros, entre outros artigos de luxo.