Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Agência tem R$ 116 milhões para financiar produtores rurais do AM

Quantia consta do orçamento da Agência de Fomento do Amazonas para 2014 e é destinada a produtores rurais, em linhas de crédito voltadas para as áreaas de comércio, serviço, agricultura e pecuária

Pedro Falabella, predidente da AFEAM

Pedro Falabella, da Afeam, garante que há dinheiro para financiar produção rural (Reprodução)

A Agência de Fomento do Estado do Amazonas (Afeam) tem este ano R$ 116,57 milhões para financiar produtores rurais em linhas de crédito voltadas para as áreaas de comércio, serviço, agricultura e pecuária.

Acossados pela enchente, os produtores rurais aguardam por mais R$ 10 milhões em crédito para reparar as perdas das culturas prejudicadas pela cheia dos rios e a anistia das dívidas da safra deste ano junto ao órgão.

Além disso, esperam por uma definição sobre o perdão de suas dívidas, em decorrência da enchente que destruiu muitas produções. Mas o tamanho da fatura a ser perdoada pela Afeam depende de laudo técnico que está sendo elaborado pelo Instituto de Desenvolvimento Agropecuário do Amazonas (Idam).

De acordo com o diretor-presidente da Afeam, Pedro Falabella, o montante previsto no orçamento (R$ 116,57 milhões) é 10% superior ao volume de empréstimos concedidos pela agência em 2013. Ele explicou que os recursos disponibilizados são formados por R$ 10 milhões em receita própria do órgão e R$ 106,57 milhões do Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas e ao Desenvolvimento Social (FMPES).

Segundo ele, as operações de crédito serão realizadas por meio de diferentes programas desenhados pelo órgão. “Iniciamos as ações itinerantes de crédito no interior do Estado, mas estamos com dificuldades de chegar a alguns municípios em função da cheia de rios como o Juruá”, disse.

Além das ações itinerantes, o dirigente disse que este ano o foco do órgão é a recuperação e fomento de cadeias produtivas como a açaí, castanha, juta, malva e banana, a cultura mais prejudicada até o momento pela enchente dos rios amazônicos. “Para este programa serão disponibilizados R$ 20 milhões e mais R$ 25 milhões serão destinados a trabalhadores rurais que possuem cadastro positivo, ou seja, que pagam seus financiamentos em dia”, detalhou.

Reparos e danos

Devido aos impactos da cheia dos rios Purus, Madeira, Juruá e região do Médio Amazonas, que até o momento já somam prejuízos de R$ 136 milhões, conforme dados do setor rural, Falabella confirmou uma oferta de credito de mais R$ 10 milhões para “socorrer” os produtores afetados em 2014.

Segundo ele, o valor foi o mesmo oferecido na enchente de 2012 e espera apenas aprovação do governo do estado. “O fomento, entretanto, só será oferecido, no final do primeiro semestre deste ano, após o cálculo das perdas rurais. Entre as condições do empréstimo, vamos oferecer subsídio de 50%, ou seja, se emprestar R$ 10 mil, o trabalhador paga Rr$ 5 mil”, disse.

O diretor-presidente disse ainda que espera por um laudo do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Amazonas (IDAM) para calcular o número de trabalhadores rurais com dívidas em aberto junto à Agência para dar início ao processo de anistia (perdão das dívidas). “Neste caso, o trabalhador precisa comprovar que as perdas são atribuídas à safra deste ano para ter o débito perdoado”, esclareceu.