Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Moradores de Humaitá estão isolados com cheia do Rio Madeira

Chuvas fortes vêm afetando o município desde dezembro do ano passado, e ameaçam cortar o suprimento de energia elétrica que alimenta casas e lojas

Cheia do rio Madeira já prejudica acesso a cidades do Amazonas e Rondônia

Cheia do rio Madeira já prejudica acesso a cidades do Amazonas e Rondônia (Jota Gomes/ Diário da Amazônia)

Moradores do município de Humaitá, a 675 km de Manaus, que nos últimos meses sofreram com as tensões entre brancos e índios, agora enfrentam um problema de origem natural. Desde dezembro do ano passado, as fortes chuvas que castigam o estado de Rondônia fizeram o Rio Madeira transbordar, alagando estradas e portos e atingindo em cheio a cidade, que fica na fronteira entre os estados.

Segundo o caminhoneiro Élcio Aparecido de Oliveira, de 48 anos, conhecido como “Preto”, as chuvas vêm dificultando todas as atividades do município, até as mais rotineiras. “A rota que eu faço, de Humaitá a Porto Velho (capital de Rondônia) está complicada. Eu preciso usar a balsa, mas o porto de Humaitá está alagado, e tem sido perigoso atravessar. O pessoal colocou uma pedra, pra usar como ponte pros carros, mas não duvido nada que a chuva carregue essa pedra nos próximos dias”, relata o caminhoneiro.

Ainda de acordo com Élcio, o percurso que ele costuma fazer em duas horas e meia agora leva 12 horas, e ele está muito preocupado com a situação. “Não é só eu (sic). Tudo está parado em Humaitá. Dizem que a energia da cidade está pra acabar, e as pessoas não sabem o que fazer. Já não entra carreta, ônibus, só carro”, conta.

O taxista de Rondônia Christian Paiva da Silva, 36, vive a mesma situação, só que do lado oposto. “Em Guajará-Mirim (cidade onde reside), as pessoas estão completamente isoladas. Eu e outros motoristas temos usado estradas de chão, de lama, cortando pela floresta, pra conseguir chegar a outras cidades. Em Porto Velho, se abrirem as comportas, vai alagar tudo. É contar com a ajuda de Deus e esperar”, admite, resignado.

Nesta segunda-feira (17), as chuvas fizeram o rio atingir a marca histórica de 17,71 metros acima do nível normal. O governo do estado de Rondônia já mobilizou as forças de segurança para conduzir o resgate e o abrigo de moradores afetados pelas chuvas.