Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

PRP vai abrir processo disciplinar contra prefeito de Coari

Membros da Executiva Nacional do PRP, partido ao qual pertence Adail Pinheiro, se disseram surpresos e indignados com a denúncia de que ele comanda um esquema de exploração sexual de menores em Coari (AM)

O presidente nacional do PRP, Ovasco Roma Resende, determinou nesta segunda-feira (20) que a diretoria estadual do partido instaure processo disciplinar contra o prefeito de Coari (AM), Adail Pinheiro. A medida foi tomada após reportagem divulgada no domingo (19) pelo programa Fantástico, da TV Globo, das denúncias contra Pinheiro. Segundo o programa, o prefeito responde a mais de 70 processos na Justiça, incluindo acusações de chefiar uma rede de prostituição infantil.

De acordo com nota divulgada à imprensa, as denúncias foram analisadas em uma reunião extraordinária na manhã desta segunda-feira (20). Por unanimidade, os membros da Executiva do partido decidiram encaminhar ofício ao diretório da legenda no Amazonas determinando abertura de processo disciplinar. “A notícia causou surpresa e indignação aos membros da Executiva Nacional do PRP. Este tipo de crime infringe a principal filosofia do partido, de que a família é a base da nação. Caso seja condenado pela Justiça ou decidido pela Comissão de Ética do partido, o prefeito Adail Pinheiro será expulso do PRP”, disse Resende.

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) informou hoje à Agência Brasil que voltará a investigar possíveis irregularidades ou desvios de conduta cometidos por servidores do Tribunal de Justiça do Amazonas, entre eles, juízes. A retomada da chamada correição, instaurada em abril de 2013, vai atingir todas as unidades da Justiça de 1º e 2º graus e cartórios notariais e de registro. Uma equipe do CNJ já embarcou para o Amazonas. O prefeito é acusado ser beneficiado por juízes da comarca, suspeitos de retardar o julgamento de vários processos em que ele é acusado de abusar de menores de idade e de comandar uma rede de prostituição infantil. A Agência Brasil tentou contato durante todo o dia com a prefeitura de Coari, mas ninguém atendeu as ligações.