Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Pesquisa do Ibope revela que Dilma venceria no 1º turno se as eleições fossem hoje

Se o quadro for mantido até a eleição no início de outubro, Dilma Rousseff (PT) seria reeleita já no primeiro turno, de acordo com a previsão do eleitorado

Dilma durante visita a Manaus, no dia 14 de fevereiro, onde prometeu ir à UE defender a Zona Franca

Dilma durante visita a Manaus, no dia 14 de fevereiro (Clóvis Miranda)

A presidente Dilma Rousseff tem 43% da preferência do eleitorado para a disputa à Presidência da República, mostrou pesquisa do Ibope divulgada nesta quinta-feira (20), que também apontou o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), com 15% e o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), com 7%.

Se o quadro for mantido até a eleição no início de outubro, Dilma seria reeleita já no primeiro turno.

Na pesquisa anterior, realizada em novembro, Dilma aparecia com os mesmos 43 por cento, Aécio tinha 14 por cento e Campos somava os mesmos 7%, de acordo com a pesquisa, divulgada no site do jornal O Estado de S. Paulo.

Na simulação sobre um eventual segundo turno, Dilma teria 47%, ante 20% de Aécio, e venceria Campos por 47% a 16%.

Num cenário em que a ex-senadora Marina Silva aparece como a candidata do PSB no lugar de Campos, Dilma soma 41%, ante 14% de Aécio e 12% de Marina. No levantamento anterior, Dilma tinha 42%, Aécio aparecia com 13% e Marina com 14%.

O Ibope apontou ainda que Dilma venceria um segundo turno com Marina com 45%, ante 21% da ex-senadora.

O Ibope também fez simulações incluindo candidatos de partidos menores, os chamados nanicos, e em todas a intenção de voto em Dilma supera a soma dos rivais, o que lhe daria a vitória já no primeiro turno.

Desejo de mudança

Ainda de acordo com o levantamento, 64% dos entrevistados esperam que o próximo presidente "mude totalmente" ou "muita coisa" na próxima gestão, enquanto 32% esperam que continuidade "total" ou de "muita coisa".