Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Piora avaliação do governo, mas Dilma lidera corrida eleitoral com folga, mostra pesquisa

Presidente não tem o primeiro turno garantido, mas nenhum dos adversários até agora teria força para ameaçá-la no segundo

Dilma Rousseff lembrou dos avanços que o programa Minha Casa Minha Vida obteve na questão habitacional do Brasil durante seu governo

Dilma Rousseff durante visita a Manaus, para inaugurar novas residências do programa 'Minha Casa, Minha Vida', na última sexta (14) (Euzivaldo Queiroz)

A avaliação do governo Dilma Rousseff teve uma leve piora em fevereiro, mas a presidente segue na liderança folgada da corrida presidencial, mostrou pesquisa CNT/MDA divulgada nesta terça-feira.

Segundo o levantamento do instituto MDA encomendado pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), a avaliação positiva do governo caiu para 36,4 por cento, ante 39,0 por cento em novembro.

A avaliação negativa passou para 24,8 por cento, ante 22,7 por cento, enquanto a regular oscilou para 37,9 por cento, contra 37,7 por cento. A margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos percentuais.

Na disputa pela Presidência da República, Dilma segue liderando com 43,7 por cento das intenções de voto, ante 43,5 por cento na sondagem anterior em novembro.

O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), soma agora 17,0 por cento da preferência do eleitorado, contra 19,3 por cento, e o governador de Pernambuco e presidente do PSB, Eduardo Campos, foi para 9,9 por cento, ante 9,5 por cento.

Num segundo cenário eleitoral, no qual a ex-senadora Marina Silva aparece como candidata do PSB no lugar de Campos, Dilma tem 40,7 por cento, seguida por Marina, com 20,6 por cento, e Aécio, com 15,1 por cento.

Apesar da vantagem de Dilma, 37,2 por cento dos entrevistados querem que o próximo presidente mude totalmente sua forma de governar.

A pesquisa mostrou ainda que se a definição da sede da Copa do Mundo deste ano fosse hoje, 50,7 por cento não apoiariam a escolha do Brasil.

Foram entrevistadas 2.002 pessoas, em 137 municípios de 24 Unidades da Federação, entre os dias 9 e 14 de fevereiro.