Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Policial civil denunciado por tráfico nega envolvimento e diz ser vítima de armadilha

Karl Marx de Araújo Gomes foi flagrado com 315 quilos de cocaína e armas em uma caminhonete. Ele acusa PF de não estar interessada nos “verdadeiros traficantes” e reclama que não seu direito à defesa não tem sido assegurado

O caso está sendo investigado pela PF

O caso está sendo investigado pela PF (Divulgação)

O investigador da Polícia Civil do Amazonas Karl Marx de Araújo Gomes, que é denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) junto com outro homem pelo crime de tráfico de drogas, negou o crime. Segundo a denúncia, ele foi preso com 315 quilos de cocaína e armas dentro de uma caminhonete que vinha de Iranduba para Manaus no último dia 23 de fevereiro

Karl Marx, em nota enviada ao Portal A Crítica, informou que é vítima de uma armação, que sua prisão é ilegal e que comunicou à autoridades da PF em Tabatinga sobre a viagem para Manaus. Ele dá a entender que o transporte da droga fazia parte de um tipo de investigação camuflada. “Minha prisão foi preparada”, disse.

Segundo a Polícia Federal e o MPF, Marx carregava a droga em vários volumes no banco traseiro e na carroceria do veículo. Uma pistola de uso exclusivo da polícia e uma submetralhadora municionada também foram encontrados. O investigador alega que as armas são objetos de porte legal.

De acordo com o MPF, no auto de prisão em flagrante consta que Marx se apresentou como policial durante a abordagem e tentou sacar uma arma de fogo que estava na cintura. A informação também é negada por Karl Marx: “Não é verdadeira a informação de que eu teria tentado sacar da arma no momento de minha prisão, coisa que nenhum louco seria capaz de fazer e somente alguns loucos são capazes de acreditar”.

Por meio da nota, Karl Marx afirma não ter tido oportunidade de defesa, direito que, segundo ele, teria sido negado durante os procedimentos policiais. “Posso admitir haver trabalhado mal mas não posso deixar de assinalar que quem trabalhou pior foi a PF”, afirma. E acrescenta: “Por que a PF não se interessou em prender os verdadeiros traficantes?”.

Denúncia

O Ministério Público Federal levou à Justiça a denúncia contra Karl Marx, pelo crime de tráfico de drogas e associação para o tráfico, com previsão de aumento de pena por se tratar de tráfico internacional de drogas, com uso de armas de fogo, e ter envolvimento de policial. As penas para cada crime variam de cinco a 15 anos e de três a dez anos, além de multa e do aumento previsto pela legislação.