Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

PM é indiciado por assassinato de despachante; soldado já estava preso, suspeito de estupro

Soldado tephen Miranda de Sena, de 32 anos, é apontado como o assassino de Edney Batalha. Ele também é investigado pelo estupro da mulher do narcotraficante ‘João Branco’

Stephen está preso preventivamente na Companhia de Guarda da Polícia Militar, na Zona Norte, desde o mês de abril

Stephen está preso preventivamente na Companhia de Guarda da Polícia Militar, na Zona Norte, desde o mês de abril (Reprodução/TV A Crítica)

O soldado da Policia Militar Stephen Miranda de Sena, 32, foi indiciado ontem como sendo o autor dos tiros que mataram o despachante da Cooperativa de Transporte Urbano do Estado do Amazonas (CVTRAN) Edney Pinheiro Batalha, 39. Segundo o titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Seqüestros (DEHS), Paulo Martins, o soldado negou as acusações, mas há provas robustas que o incriminam.

Stephen está preso preventivamente na Companhia de Guarda da Polícia Militar, no bairro Monte das Oliveiras, Zona Norte de Manaus, desde o mês passado. A detenção é por conta da acusação de que ele é um dos homens que, em setembro do ano passado, sequestrou e estuprou a mulher do traficante de drogas João Pinto Carioca, o “João Branco”, com mais três homens.

Martins explicou nesta terça-feira (20) que Stephen foi à especializada especificamente para ser ouvido e indiciado no crime do despachante. “Nós não investigamos crimes de estupro, portanto não podemos falar sobre isso”, disse.

Segundo o delegado, o despachante foi assassinado com três tiros no ponto final da linha 805 de ônibus executivo, localizado na rua Gandu, núcleo 8, Cidade Nova 2, Zona Norte. Além de Stephen, há mais um policial militar e provavelmente um civil que participaram do crime. A polícia ainda não tem informações da motivação do crime.

Martins contou que a elucidação do crime e a identificação da autoria foram frutos de escuta telefônica autorizada pela polícia, na qual Stephen aparece conversando com os parceiros momentos antes de cometer o crime. Foi com base nestas escutas que o delegado representou pela prisão dele.

No momento do crime, o despachante estava conversando com um motorista quando, por volta das 7h, um homem chegou ao local e pediu para o motorista sair. “O assassino chegou e pediu para o motorista ir embora porque estavam ali somente para matar o despachante. Quando o motorista saiu, o cara efetuou os disparos e fugiu”, relatou uma testemunha à polícia. 

Ainda segundo os relatos de testemunhas, o assassino chegou em uma motocicleta. A vítima levou um tiro na cabeça e dois no peito. O corpo de Batalha estava de bruços dentro da sala onde trabalhava, onde também eram visíveis marcas de tiro na parede .

Em julho do ano passado, o soldado foi indiciado por suspeita de tentar assassinar a tiros Elciney da Silva Alves, 21. Em depoimento, o PM disse ter atirado depois que a vítima ameaçou a mulher dele com uma faca. Ele responde a outros processos criminais na Justiça.

Prisão 

Stephen estava com a prisão decretada pelo sequestro e estupro da mulher de João Branco desde 11 de outubro de 2013, porém o mandado só foi cumprido no dia 7 de abril deste ano. 

As investigações foram feitas pela Secretaria Executiva Adjunta de Inteligência (Seai) e correm em segredo de Justiça.