Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Produção industrial no Brasil sobe 0,7% em julho e interrompe cinco meses de queda

O IBGE, órgão que faz levantamento mensal da produção industrial brasileira, destacou que 20 dos 24 ramos de atividades pesquisados tiveram alta em julho

A iniciativa tem como objetivo a redução do consumo de energia elétrica no Polo Industrial de Manaus (PIM)

O Polo Industrial de Manaus é um dos setores estudados pelo IBGE (Antonio Lima)

A produção industrial brasileira iniciou o terceiro trimestre com alta de 0,7% em julho frente junho, interrompendo cinco meses seguidos de quedas num resultado melhor do que o esperado. 

Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, a produção industrial caiu 3,6% em julho, quinta taxa negativa seguida, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta terça-feira.

Pesquisa da Reuters junto a economistas mostrou que as medianas apontavam alta da atividade de 0,5% na base mensal e recuo de 3,7% sobre um ano antes.

O resultado mensal de julho, entretanto, não foi suficiente para compensar as perdas anteriores. Entre fevereiro e junho, segundo o IBGE, a perda acumulada foi de 3,5%.

Somente em junho a produção recuou 1,4% sobre o mês anterior, em parte por causa do menor número de dias úteis por conta da Copa do Mundo. Embora o torneio tenha acabado na metade de julho, a maior parte dos jogos aconteceu em junho.

Entre os segmentos de produção, o destaque em julho ficou para Bens de Capital, medida de investimento, que avançou 16,7% sobre junho, interrompendo quatro meses seguidos de queda na produção. Entretanto, sobre julho de 2013 o segmento registrou queda de 6,4%.

O IBGE destacou ainda que 20 dos 24 ramos de atividades pesquisados tiveram alta em julho, sendo que as principais influências positivas vieram de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (44,1%) e veículos automotores, reboques e carrocerias (8,5%).