Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Prova do concurso público da Susam é adiada para 24 de agosto

A decisão de alterar o cronograma do certame foi tomada devido à cheia dos rios que atingem parte dos municípios do Amazonas onde serão aplicadas as provas

Concurso destina-se ao preenchimento de vagas na capital e no interior do Estado

Último concurso da Susam foi realizado em 2005 (ACRÍTICA/AC)

A Secretaria de Estado de Saúde (usam) e a Fundação Getulio Vargas resolveram adiar de 18 de maio para 24 de agosto a data de realização das provas objetivas do seu concurso público por conta da cheia dos rios que alterou a rotina de vários municípios do interior do Estado onde serão aplicados os exames.

O concurso oferece 11.646 vagas para as profissionais de saúde e demais áreas do conhecimento, distribuídos em cargos de auxiliar, técnico e nível superior. As vagas serão preenchidas na estrutura da própria secretaria, bem como de hospitais e fundações de saúde.

O último concurso da instituição foi realizado em 2005, tendo sido alvo de ações judiciais que foram parar no Superior Tribunal de Justiça (STJ) por parte dos aprovados que não foram chamados até hoje.

Segundo comunicado oficial, a decisão de alterar o cronograma do certame foi tomada devido a decretação de estado de emergência e calamidade pública por parte das prefeituras municipais, em decorrência da enchente. Em vários desses municípios, as escolas públicas que seriam utilizadas como locais de prova, ou foram atingidas pela cheia ou estão funcionando como abrigo para os ribeirinhos afetados pela enchente.

"Essa decisão foi tomada para evitar transtornos tanto para a entidade realizadora do certame, como para os candidatos inscritos no concurso público", explica o secretário de estado de saúde, Wilson Alecrim.

Em nota, a FGV informou que a nova data foi definida com base em relatório emitido pela Defesa Civil do Estado do Amazonas, que alerta, inclusive, que após a vazante dos rios será necessário um prazo para recuperar os prédios públicos e só então voltar a utilizá-los normalmente.