Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

  • EM DESTAQUE

  • Últimas
  • Você Repórter
  • Mundo
  • Brasil
  • Economia
  • Interior
  • Política
  • Tecnologia
  • Veículos
  • Cotidiano
  • Cultura
  • TJAM nega recurso para anular julgamento que condenou Jimmy Robert a 94 anos de prisão

    Em decisão unânime, desembargadores negaram o pedido da defesa de Jimmy. Ele foi condenado a 94 anos de prisão por participar da morte do pai, da tia e da prima em 2012, em parceria com dois comparsas

    A primeira audiência de instrução de julgamento no Fórum Henoch Reis acontece nesta quarta-feira (2), localizado na Avenida Jornalista Humberto Calderaro Filho, bairro São Francisco, Zona Centro-Sul de Manaus

    Jimmy cumpre pena em regime fechado em unidade prisional de Manaus (Ney Mendes)

    O Pleno do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) negou por unanimidade Recurso Ordinário no Agravo Regimental 0006871-73.2014.8.04.0000, interposto pela defesa de Jimmy Robert de Queiroz Brito, condenado pela 1ª Vara do Tribunal do Júri a 94 anos de prisão pela morte da tia, prima e pai, em janeiro de 2012.

    A defesa entrou com recurso depois que o presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas, desembargador Ari Jorge Moutinho da Gosta, negou a anulação do julgamento que condenou Jimmy Robert de Queiroz Brito.

    Na sessão do Pleno realizada na manhã desta terça (10), os desembargadores do TJAM acompanharam o voto do relator, desembargador Ari Jorge Moutinho da Costa, pelo improvimento do recurso, de acordo com o parecer do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE).

    Jimmy Robert foi condenado a 94 anos de prisão. Seus comparsas, Rodrigo Alves e Ruan Pablo foram condenados a 94 anos e oito meses e 84 anos de reclusão, respectivamente. Os condenados cumprem pena em regime fechado. À época do julgamento, em novembro de 2013, a juíza titular da 1ª Vara do Tribunal do Júri, Mirza Telma de Oliveira Cunha, negou o direito de recorrer em liberdade.

    *Com informações da assessoria de imprensa