Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Tendência mundial de varejo chega a Manaus

O uso de contêineres como matéria-prima traz um novo conceito a Manaus

Novo conceito chega a Manaus

Novo conceito chega a Manaus (Divulgação)

Até setembro deste ano, Manaus vai receber o primeiro empreendimento comercial do País que utiliza contêineres para abrigar lojas, escritórios e empresas de serviço. O “Contêiner Mall”, como será chamado, já pode ser notado por quem transita pelo conjunto Vieiralves, até porque a arquitetura do local mantém a cor e a robustez próprias do artefato metálico que é usado pelo comércio internacional.

O responsável pelo desenvolvimento e gestão de todo o projeto é o arquiteto Roberto Moita. Ele explica que o uso dos contêineres já é uma “febre” em vários países, como Inglaterra, Estados Unidos, Itália e Nova Zelândia, e vem ganhando diferentes configurações e aplicações.

 “Já existem experiências de hotel, habitação, lojas e escritórios feitos com contêiner. Mas só encontramos uma referência de contêiner mall, que fica na cidade de Christchurch, na Nova Zelândia. Essa cidade sofreu um terremoto em 2010 e o comércio central desabou. Por isso, fizeram um empreendimento dessa natureza para funcionar enquanto reconstroem o que foi destruído”, explica.

 No total, o investimento realizado no Contêiner Mall é de R$ 800 mil. O empreendimento terá 350 metros quadrados de área construída, quatro salas comerciais, cinco lojas e um restaurante, divididos em dois pisos. A previsão é que a galeria seja inaugurada no próximo mês.

Praticidade

De acordo com Moita, uma das vantagens de utilizar o contêiner como matéria-prima é a rapidez de instalação, já que as chapas metálicas são paredes praticamente prontas. Além disso, é possível unir os contêineres para ampliar espaços, como aconteceu no empreendimento. Cada loja surgiu a partir da junção de dois contêineres, que criaram unidades com área de 30 metros quadrados.

No caso dos banheiros (dois em cima e dois embaixo), foram colocadas divisórias para abrigar tanto o público masculino como o feminino. “Para as lojas, ampliamos a área dos contêineres para fazer vitrines onde antes ficavam as portas. Esse foi um conceito que a gente desenvolveu, não vi isso em lugar nenhum”, destaca o arquiteto.

 Outros diferenciais do projeto são a estação de bicicletas e a área verde, com jardim e mangueiras nativas. “O público vai encontrar um local aconchegante, com uma atmosfera que tem relação com a sustentabilidade. Estamos trazendo a incorporação de infraestruturas que antes estavam disponíveis, mas subutilizadas”, comenta Moita.

As obras do mall estão na etapa de isolamento termo-acústico, que é necessário para manter a temperatura agradável. A cobertura também já está em andamento, assim como os fechamentos em vidro.

Eighty’s Burguer

A primeira empresa a confirmar suas operações no Contêiner Mall foi o restaurante Eighty’s Burguer & Beer, dos jovens empresários Jean Fabrízio e Fábio Sabóia. A hamburgueria, que hoje está na rua Acre, ficará no piso inferior do shopping, na esquina entre as ruas Maceió e Vila Amazônia, em frente à Fundação Dr. Thomas. “Teremos mesas externas e a ideia é buscar o público que curte o happy hour, com chope e música. Nosso horário de funcionamento também será ampliado, vamos fechar só à meia-noite”, adianta Fábio, que vai contratar mais atendentes para o restaurante.

Alternativa horizontal tem custo baixo e construção ágil

Além de gerar empregos e ampliar o movimento comercial da zona Centro Sul, o Contêiner Mall é uma contribuição para a arquitetura da cidade, já que se trata de um projeto horizontal e não vertical. Essa é a opinião do presidente da Associação Comercial do Amazonas (ACA), Ismael Bicharra. “A verticalização prejudica a ventilação. Em Manaus temos muitas áreas adequadas para a construção de empreendimentos horizontais”, opina o dirigente.

Ismael destaca que o uso de contêineres é uma alternativa para executar projetos em curto prazo e com custos reduzidos, já que existe um excesso de contêineres no mundo. Segundo ele, um contêiner pode ser comprado pelo preço de US$ 1,4 mil. “Para que uma estrutura dessa retorne à China, por exemplo, o custo gerado pela logística é cinco vezes maior que o preço do contêiner. Então é mais barato pagar para que ele fique no local de destino”, frisa.

Segundo Roberto Moita, os contêineres usados no mall são de origem chinesa, mas foram adquiridos de uma empresa portuária de Manaus, que possui um estoque inteiro. “O contêiner é mais um subproduto do Polo Industrial de Manaus (PIM). Por isso conseguimos encontrar empresas que têm know-how para criar um lugar com agradabilidade e fazer um trabalho de manejo e manutenção”, afirma.

Geração de renda

Para o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Manaus (CDL-Manaus), Ralph Assayag, o desenvolvimento de uma nova galeria fortalece o Vieiralves como área comercial. “Todo empreendimento que venha para somar e gerar novos empregos é bem-vindo”, pontua.

O mix de empresas do Contêiner Mall deve ser formado, no piso inferior, por varejistas (lojas de calçados, vestuário, dentre outros) e prestadores de serviço. No piso superior, a proposta é instalar escritórios.